Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.864,51
    +306,84 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.887,09
    -31,19 (-0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,31
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.786,60
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    50.447,55
    -527,94 (-1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.314,93
    +9,81 (+0,75%)
     
  • S&P500

    4.693,69
    +6,94 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    35.702,23
    -17,20 (-0,05%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.345,00
    +27,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2778
    -0,0619 (-0,98%)
     

5G está chegando ao Brasil, mas quantos ainda usam 3G no país?

·3 min de leitura

Com a conclusão do Leilão do 5G, na sexta-feira (5), começou a contagem regressiva para a implantação da tecnologia de internet móvel rápida no país. Apesar disso, muitos brasileiros ainda usam o 3G: segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), mais de 20 milhões de indivíduos usam a tecnologia, que começou a ser substituída pelo 4G em 2013.

Os motivos para isso são os mais diversos. Começam com o uso de aparelhos muito antigos e chegam à ausência de cobertura, comum em regiões mais remotas do país — são municípios muito pequenos ou muito distantes, o que encarece a instalação. Além dos clientes individuais da tecnologia 3G, ela é usada, ainda, por equipamentos como máquinas de cartões de crédito e pontos de recarga de cartões de transporte público (que fazem comunicação do tipo máquina para máquina ou machine to machine – M2M) —, entre outros.

Imagem: Reprodução/Pixabay/Ahmad Ardity
Imagem: Reprodução/Pixabay/Ahmad Ardity

Com a tecnologia 3G, as chamadas de vídeo têm pouca qualidade e é impossível usar serviços de streaming de vídeo e de música — já que a velocidade não permite uma experiência fluida: a conexão é de apenas 2 Mbps. A consultoria IDC chegou a avaliar o preço dos aparelhos usados para esses acessos em torno de R$ 200. Atualmente, a maioria dos smartphones de entrada (que funciona em 3G e 4G) custa mais de R$ 1 mil.

Para usar o 5G, será preciso ter um aparelho e um chip compatíveis com a tecnologia. Eles já estão chegando ao mercado e, quem quiser aproveitar o potencial da novidade, terá de comprar um deles. Como o 5G deve estar disponível nas capitais em julho de 2022, ainda restam alguns meses para providenciar um novo dispositivo.

As demais localidades devem demorar ainda mais para ter acesso à tecnologia no Brasil. O cronograma previsto de implementação do 5G é o seguinte:

  • 31 de julho de 2025: municípios com mais de 500 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2026: localidades com mais de 200 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2027: cidades com mais de 100 mil habitantes;

  • 31 de julho de 2028: municípios com mais de 30 mil habitantes.

Presença do 4G no país

A cobertura ainda é bastante deficiente no território nacional. De acordo com a Anatel, mais de 220 municípios brasileiros não oferecem 4G. O objetivo da agência é que a opção esteja em 100% das cidades do país até 2024. Algumas das vencedoras do Leilão do 5G terão têm, como contrapartida, de expandir a rede 4G.

Imagem: Reprodução/Envato/yongkiet
Imagem: Reprodução/Envato/yongkiet

O Leilão do 5G foi o maior da história no país. Quando as frequências do 3G foram vendidas, a Anatel arrecadou R$ 7 bilhões. Agora, foram obtidos R$ 47,2 bilhões (a expectativa inicial era de R$ 49,7 bilhões). Analistas avaliam que esse foi o maior leilão de 5G de todo o mundo.

A expectativa é que a tecnologia 5G dê espaço a novos modelos de negócios, bem como mais empregos e renda para milhões de brasileiros. Além disso, estima-se que ela ajude a impulsionar o Produto Interno Bruto (PIB) em cerca de R$ 6,5 trilhões nos próximos 20 anos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos