Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.288,70
    +286,25 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

58,4% das famílias brasileiras têm problemas com as finanças

·1 minuto de leitura
  • Índice mostra que pelo menos metade da população tem problema com as contas

  • Sudeste e Nordeste apresentaram os piores índices do país

  • Apenas 35% dos entrevistados sentem segurança em relação ao futuro

Com o aumento do preço de itens essenciais como alimentação, energia elétrica e combustíveis, as finanças se tornaram a principal causa de estresse nos lares brasileiros. Dados do Índice de Saúde Financeira do Brasileiro mostram que assuntos financeiros se tornaram um problema na vida familiar de 58,4% da população.

Leia também:

Criado para avaliar a capacidade da população em cumprir com as obrigações monetárias, o indicador lançado pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) em parceria com o Banco Central visa fornecer ferramentas para a educação financeira.

Dados do estudo mostram desigualdades entre as regiões do país. Os moradores das regiões Sudeste e Nordeste foram apontados como os cidadãos com menor saúde financeira, enquanto o Sul alcançou os melhores indicadores. 

Na questão segurança sobre as finanças, apenas 35% da população se sentem seguras em relação ao futuro. Enquanto isso, mais da metade dos entrevistados disseram que precisaram reduzir o padrão de vida para fechar as contas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos