Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.532,06
    +569,51 (+2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

50 anos da Apollo 17 | Relembre a última missão do programa Apollo

Nesta quarta-feira (7), celebra-se os 50 anos do lançamento da Apollo 17, a última missão do célebre programa Apollo. Um foguete Saturn V foi lançado da plataforma 39A, no Kennedy Space Center, durante a madrugada de 7 de dezembro de 1972, levando Gene Cernan, Harrison Schmitt e Ronald Evans à Lua durante a missão. Eles chegaram ao nosso satélite natural três dias depois, realizando experimentos e coletando amostras da superfície lunar.

A Apollo 17 foi a única missão do programa lançada durante a noite, sendo também a única que contou com um cientista em sua tripulação: o geólogo Harrison "Jack" Schmitt foi um dos seis primeiros cientistas-astronautas selecionados durante a década de 1960, em meio à pressão crescente da Academia Nacional de Ciências, que temia que somente pilotos tivessem a oportunidade de ir à Lua.

Lançamento da missão Apollo 17 (Imagem: Reprodução/NASA)
Lançamento da missão Apollo 17 (Imagem: Reprodução/NASA)

Após o acionamento do terceiro estágio do foguete, o trio seguiu em uma jornada de três dias com destino à Lua. Cernan, Evans e Schmitt chegaram à órbita lunar no dia 10 de dezembro, iniciando os preparativos para pousar em Taurus-Littrow, uma área com grande diversidade geológica.

Tripulação da Apollo 17

Cernan serviu como comandante na Apollo 17, naquela que foi sua terceira e última missão no espaço — antes, ele participou também da missões Gemini IX-A e Apollo 10. Além disso, ele se tornou a última pessoa a caminhar na Lua por meio do programa Apollo.

Da esquerda para a direita, estão Harrison Schmitt e Ron Evans; à frente, está Gene Cernan (Imagem: Reprodução/Ron Evans)
Da esquerda para a direita, estão Harrison Schmitt e Ron Evans; à frente, está Gene Cernan (Imagem: Reprodução/Ron Evans)

Enquanto isso, Schmitt estava em sua primeira e única missão ao espaço, e serviu como piloto do módulo lunar Challenger. Já Evans serviu como piloto do módulo de comando America, e seguiu na órbita lunar durante a missão. Aquela foi sua primeira e última missão espacial.

Pouso da Apollo 17 na Lua

A dupla de astronautas pousou em Taurus–Littrow no dia 11 de dezembro. Schmitt e Cernan passaram mais de 70 horas explorando a superfície lunar, executando diferentes experimentos científicos, tirando fotos e coletando amostras de rochas e solo que foram levadas à Terra depois.

Quando visitaram a cratera Shorty, Schmitt descobriu um curioso solo alaranjado por lá. As análises das amostras coletadas ali revelaram que o solo era um produto de erupções vulcânicas regionais, e foi formado há cerca de 3,6 bilhões de anos. Além disso, eles usaram o jipe Lunar Roving Vehicle para se deslocarem pela superfície lunar, e realizaram três caminhadas lunares em pouco mais de 22 horas.

Eugene Cernan testando o rover após tirá-lo do módulo lunar Challenger (Imagem: Reprodução/NASA)
Eugene Cernan testando o rover após tirá-lo do módulo lunar Challenger (Imagem: Reprodução/NASA)

Enquanto ficou na órbita a bordo do módulo de comando America, Evans observou a superfície da Lua. Ele operou alguns experimentos orbitais, e conduziu observações visuais da superfície lunar. Já na viagem de retorno à Terra, ele realizou uma caminhada espacial de 1 hora e 6 minutos para coletar fitas das câmeras e do radar.

A Apollo 17 foi lançada em um período em que, além de o interesse público pela exploração espacial ter diminuído consideravelmente, a NASA já começava a trabalhar em missões de longa duração na órbita lunar. Assim, antes de deixarem a Lua a bordo do Challenger, Cernan e Schmitt deixaram uma placa com uma mensagem, que celebrava as primeiras explorações da humanidade na Lua.

O legado da Apollo 17

Durante a missão, Schmitt e Cernan ficaram a 7,4 km do módulo lunar, a maior distância já alcançada durante o programa Apollo. Além disso, passaram 75 horas na superfície da Lua, quebrando o recorde de maior permanência na superfície do nosso satélite natural. A tripulação pousou no oceano Pacífico em 19 de dezembro, após 12 dias e 13 horas de viagem.

Cernan e Evans, à esquerda e direita, respectivamente (Imagem: Reprodução/NASA)
Cernan e Evans, à esquerda e direita, respectivamente (Imagem: Reprodução/NASA)

Os objetivos principais da Apollo 17 eram coletar amostras mais antigas que o impacto que criou a cratera Imbrium, explorada pelos membros da Apollo 15, e investigar a possibilidade de atividade vulcânica recente. Juntos, Schmitt e Gernan conduziram 10 diferentes experimentos científicos na superfície lunar, tiraram mais de 2 mil fotos e coletaram cerca de 110 kg de amostras de solo e rochas, trazidas à Terra para análises.

Os astronautas da Apollo 17 foram os últimos a visitar a Lua, mas isso poderá mudar em um futuro não muito distante. A NASA vem trabalhando no programa Artemis, e planeja levar novos humanos ao nosso satélite natural ainda nesta década — e, desta vez, a tripulação incluirá a primeira mulher e a primeira pessoa negra a caminhar na Lua.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: