Mercado fechado

5 youtubers brasileiros que te fazem entender tudo sobre cinema

Nathan Vieira
·9 minuto de leitura

A pandemia impactou diversas áreas, e o cinema é uma delas. Se o cenário brasileiro já passava por algumas questões que você pode acompanhar na nossa matéria especial sobre como é fazer filmes no Brasil, depois da pandemia, os obstáculos só aumentaram. No entanto, alguns criadores de conteúdo utilizam do YouTube para trazer conhecimento sobre o assunto e fazem você se aproximar da sétima arte sem sair de casa. Com isso em mente, o Canaltech traz uma lista com alguns desses youtubers brasileiros que entendem tudo de cinema.

Raphael PH

Existe um universo sendo constantemente alimentado na Cultura Pop. Novos filmes toda semana, novas séries todo mês e novos produtos sempre que alguém pisca o olho. Acreditando que a propagação desses títulos é uma ação vital para essa cultura continuar forte, o canal de Raphael tenta colocar uma opinião sobre tudo o que conseguir consumir.

Raphael conta que começou a gostar e acompanhar filmes quando passou umas férias na casa dos avós e, surpreso pela capa chamativa, assistiu à fita do filme Blade Runner. Ele escreve críticas desde 2005, passando por portais, blogs e finalmente vídeos, em 2017. Questionado sobre as dificuldades de ser um youtuber de cinema, Raphael conta: "O primeiro é o entendimento do que é Crítica de Cinema por um público que busca veementemente um eco de sua própria opinião. Ou seja, caso não sejam contemplados então o crítico, os argumentos, o texto são inválidos em vez de serem um elemento para debate e conversa", aponta.

Outro desafio apontado é o algoritmo, ou o ecossistema do YouTube enquanto rede social e site de busca. "Facilmente é gerada uma ansiedade para produzir o que pode fazer o produtor ceder ao pecado de fazer apenas por fazer, apenas por que o YouTube definiu que, caso ele não faça, cairá no ostracismo do algoritmo e não chegará ao tanto de pessoas que chegava antes, mesmo essas estando devidamente inscritas e informando de seu interesse pelo conteúdo daquele canal".

Por outro lado, a melhor parte, de acordo com Raphael, é o potencial que o vídeo oferece. "A meu ver, meu texto flui melhor em fala do que em escrita. Tem também o outro lado do ecossistema, no caso, o lado bom. O lado de fazer parte de algo maior, de recomendações orgânicas e de uma roda que gira independente de você, diferente com o que acontecia com os blogs anteriormente. Se você se contentar com um número potencial de views baixo, acredito que o YouTube pode ser um local muito prazeroso de colocar seu conteúdo", revela.

Questionado sobre a importância de gerar interesse pela arte em geral e pelo cinema, Raphael disserta: "A arte nos dá uma percepção aumentada do que acontece conosco e com tudo aquilo que interagimos. À arte cabe a liberdade, ou não. Das artes o cinema chega forte, pois vem com uma camada de fácil acesso por diferentes tipos de público, mesmo que existam as obras que cobram mais do espectador, via de regra o cinema é potente o suficiente para irmos de uma simples pipocada no sofá até mudanças no rumo de nossas vidas depois de assistirmos a algo".

Raphael afirma que, nessa pandemia, o cinema enquanto espaço e distribuição em salas sofreu talvez o maior baque da história. "Nem na segunda guerra houve tanta recessão e impacto na indústria. Entretanto, potencializou um mercado que vinha forte antes mesmo da pandemia, no caso, o dos streamings. Filmes mais baratos, filmes mais simples podem agora lutar para entrar no imaginário da cultura pop em pé de igualdade com megaproduções que, muitas vezes, só fazem sentido em telas gigantes e sons extremamente potentes".

O youtuber aponta que a tecnologia tem contribuído para a evolução do cinema? "Quem diria que teríamos câmeras de tanta qualidade em nossos bolsos? Filmes como Tangerine e Projeto Flórida, o primeiro feito apenas com iPhone 5, provam que o dispositivo está cada vez mais fácil de ser acessado e, para uma próxima geração, sem esse apego ao cúmulo da qualidade, talvez cheguemos com produções modestas que tenham forte apelo com o público. Não há mais limitações, desde as grandes farms de renderização de uma animação até, como eu disse, celulares que não só filmam como editam, publicam e divulgam uma obra".

Câmera 7

Curiosidades, listas, nostalgia, além de conteúdo informativo e educativo sobre o universo do cinema. Essa é a proposta do canal Câmera 7, de Johnny Gomes. Atualmente, o canal une mais de 100 mil inscritos e 14 milhões de visualizações ao longo de seu conteúdo. A ideia de criar vídeos sobre cinema para o YouTube surgiu em 2016. "Um amigo queria começar um canal sobre cinema e me chamou para fazer um canal com ele. Só que, no fim das contas, devido a algumas circunstâncias, não conseguimos trabalhar juntos. Mas aí eu já tinha ficado com vontade de começar um canal. Então, em 2017, o Câmera 7 começou", conta.

Assim como Raphael, Johnny conta que um dos maiores desafios é a plataforma e o algoritmo do YouTube. "De uns tempos pra cá, começou a beneficiar vídeos com títulos e thumbnails muito chamativos em detrimento de outros. Isto faz com que conteúdo sensacionalista seja muito melhor distribuído. E não é tão fácil tornar vídeos do nicho de cinema tão apelativos nesse nível, o que faz com que certos tipos de vídeos não sejam viáveis. Muito trabalho para produzir e pouco alcance".

No entanto, a melhor parte de ser um youtuber e fazer conteúdo sobre cinema gira em torno da reação do público. "Ver pessoas serem tocadas ou inspiradas pelo nosso trabalho é extremamente recompensador. Um dia desses uma seguidora me disse no Instagram que esteve lutando com depressão e síndrome do pânico no ano passado e uma das coisas que a ajudaram a superar esse momento difícil foi assistir os episódios de Game of Thrones e, em seguida, assistir as minhas análises dos episódios, que eram muito divertidas e a faziam rir muito. Esse tipo de coisa faz valer a pena o nosso esforço, sabe?", opina o youtuber.

Sobre a importância de gerar interesse pela arte em geral e pelo cinema, Johnny diz o seguinte: "A arte é o que nos mantém sãos nesse mundo maluco. A música, os filmes, as séries, o teatro... Isso tudo, além de nos entreter, nos faz esquecer, nem que seja por um breve momento, os nossos problemas e as nossas dificuldades. Também nos faz evoluir como seres humanos. Através da arte, nós podemos olhar o mundo pelos olhos de outra pessoa (no caso, o artista), o que nos dá outras perspectivas acerca de inúmeras questões da vida".

O criador de conteúdo opina que o brasileiro, de maneira geral, não dá valor ao cinema nacional, principalmente devido ao fato de que a imensa maioria dos filmes nacionais não chega ao público. "Falta investimento na produção nacional e na distribuição, para que ela chegue às pessoas", aponta.

No entanto, na visão de Johnny, a sétima arte tem recebido muito impacto positivo proporcionado pela tecnologia. "Todos os anos a Academia premia empresas e profissionais que deram contribuições tecnológicas significativas à evolução do cinema naquele ano. O cinema hoje em dia é completamente diferente do da década de 30, por exemplo. Desde a tecnologia que permitiu a criação do filme colorido, passando pelas câmeras digitais, computação gráfica, até a captura de movimentos", opina o youtuber.

Pipocando

Um canal feito para os amantes de cinema. Essa é a frase que acompanha a descrição do canal Pipocando, apontado como um programa pra quem curte filmes, séries, animações e cultura pop. Mais do que trazer sugestões de filmes a partir de determinados temas, o canal em questão também traz várias curiosidades presentes nos próprios bastidores do cinema e da produção e da pós-produção.

O canal é apresentado por Bruno Bock e Rolandinho, que inclusive assinam juntos a autoria do livro Pipocando: Os bastidores do maior canal de cinema da América Latina, onde compartilham, por meio do relato de suas histórias, os tropeços e acertos que levaram o Pipocando a chegar onde chegou: atualmente 4,2 milhões de inscritos e mais de 500 milhões de visualizações.

"A gente tentou vários canais antes do Pipocando. Nosso sonho era poder viver produzindo vídeos autorais para internet. Naquela época, atiramos para todos os lados. Mas aí percebemos que não existia ainda um canal de cinema brasileiro que falasse do assunto de fã pra fã, com um papo inclusivo, que não presumisse que o público sabe quem é Tarantino ou Coppola. Sentimos que havia uma oportunidade de criar algo diferente e sobre um assunto que ambos gostavam muito. Foi aí que nasceu o Pipocando", relembra Rolandinho.

Questionado sobre como a tecnologia contribuiu para o cinema, Rolandinho disserta: "Cenas e recursos que só podiam ser criados em orçamentos astronômicos agora podem ser usados por muitos criadores. Isso fez com que as histórias ganhassem mais possibilidades". Ele ainda acrescenta: "Por outro lado, o algoritmo e o "on demand" acaba deixando a média das produções mais homogênea - na tentativa de alcançar todo mundo, os filmes e séries acabam um pouco pasteurizados, e a inteligência artificial já consegue mostrar quais os campos de interesse do público, que está influenciando nas decisões de produção. Espero que esse movimento tenha um limite. Senão, vamos acabar vendo sempre o mesmo filme".

Meus 2 Centavos

Outro canal que integra a nossa lista é Meus 2 Centavos, com direito a críticas de filmes, assim como conteúdo didático sobre a sétima arte. O canal é criado e apresentado por Tiago Belotti, e soma desde a sua criação 256 mil inscritos e 51 milhões de visualizações.

Sociedade Brasileira de Cinema

A Sociedade Brasileira de Cinema é um portal com cursos online de produção cinematográfica como um todo. Criada visando a democratização ao acesso a estudos sobre a sétima arte no Brasil, a SB Cinema visa facilitar a união dos apaixonados por cinema a um conteúdo aprofundado nesse tema que tanto amam, outrora restrito somente ao ambiente acadêmico, a cursos presenciais ou disponíveis somente em materiais de língua inglesa.

E no YouTube, a SB Cinema traz conteúdos didáticos a respeito do cinema em si, como técnicas e dicas feitas por profissionais da área e por professores. Se você quer de fato aprender cinema, um primeiro passo é dar uma olhada nesse canal, por isso ele finaliza a nossa listinha de youtubers brasileiros que ensinam tudo sobre a sétima arte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: