Mercado abrirá em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,00
    +1,43 (+1,31%)
     
  • OURO

    1.827,40
    +2,60 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    21.127,22
    -302,59 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,42
    -0,37 (-0,08%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.341,18
    +82,86 (+1,14%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.109,25
    +68,75 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5345
    -0,0096 (-0,17%)
     

5 motivos para NÃO comprar o Honda City hatch

O New Honda City hatch chegou para balançar o segmento que, até hoje, ou contava com modelos de entrada no Brasil, como o Chevrolet Onix e o Hyundai HB20, ou com o único representante da gama média, o Chevrolet Cruze RS. E veio com bons atrativos para o consumidor.

Porém, como diz o jargão popular, “ninguém é perfeito” e, portanto, o novo carro da Honda hatch também não. Para comprovar tal afirmação, a reportagem do Canaltech listou 5 motivos que podem fazer você não comprar o City hatch.

5. Porta-malas

Vamos abrir a lista de 5 motivos para NÃO comprar o New Honda City hatch pelo que consideramos o mais decepcionante deles: o espaço do porta-malas. Ele é, na verdade, consequência do excelente espaço interno, destacado pelo Canaltech como um dos 5 motivos para comprar o carro japonês.

Por conta do bom aproveitamento interno do City hatch, que tem 4,34 metros de comprimento, com 2,60 metros de entre-eixos, o porta-malas acabou sendo “sacrificado”. Para uma comparação mais precisa, vale pontuar que ele é menor, por exemplo, do que o do Renault Kwid. O City comporta 268 litros, contra 290 do compacto francês.

Porta-malas do novo Honda City hatch é menor até do que do Renault Kwid (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
Porta-malas do novo Honda City hatch é menor até do que do Renault Kwid (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

4. Falta de carregador por indução

Um dos poucos “senões” do excelente pacote tecnológico do Honda City hatch é a ausência do carregador de celular por indução. O recurso já está presente em carros de porte similar e causou estranheza a montadora japonesa ter deixado esse pequeno detalhe passar batido na lista de itens disponíveis.

City hatch não tem carregador por indução entre os acessórios (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
City hatch não tem carregador por indução entre os acessórios (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

3. Isolamento acústico

O isolamento acústico da cabine é outro ponto negativo do Honda City e, por isso, entra na lista dos 5 motivos para NÃO comprar o hatch da marca japonesa. A “culpa”, neste caso, é do motor 1.5 flex, de 126 cavalos.

Se por um lado ele é eficiente e bastante econômico, tanto na cidade quanto na estrada, por outro ele acaba pagando um preço alto por não ser turbo. Isso, aliado ao câmbio CVT que simula 7 velocidades, faz com que o carro, às vezes, demore demais para render o esperado. O giro aumenta, e o barulho do motor, também.

Isolamento acústico da cabine do City hatch poderia ser melhor (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
Isolamento acústico da cabine do City hatch poderia ser melhor (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

2. Desempenho

Assim como no caso do isolamento acústico, o desempenho acabou afetado pela escolha da Honda em não equipar o City hatch com o motor 1.0 turbo de três cilindros, já presente sob o capô de alguns modelos da marca fora do Brasil. O aspirado 1.5 acaba deixando a desejar até mesmo no comparativo com rivais menores.

Se pegarmos apenas os números oficiais fornecidos pelas montadoras em relação à aceleração de 0 a 100 km/h, o City fecha o desafio em 10,7 segundos, abaixo do Volkswagen Polo (9,8 segundos), Hyundai HB20 (9,3 segundos) e até mesmo do Chevrolet Onix (10,6 segundos). Na briga com o Cruze RS, a "surra" é maior, já que o modelo da Chevrolet chega à marca em 9 segundos.

Motor 1.5 litro 16V DI DOHC i-VTEC sob o capô do City hatch é econômico, mas peca no desempenho (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
Motor 1.5 litro 16V DI DOHC i-VTEC sob o capô do City hatch é econômico, mas peca no desempenho (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

1. Preço

Pode até parecer lugar-comum nos dias atuais, já que é uma missão complicada encontrar um carro com tantos atrativos tecnológicos e de segurança por um valor atraente. O Honda City hatch, porém, poderia ser um pouquinho mais em conta para ampliar a gama de público que pretende alcançar.

A montadora japonesa disponibiliza a versão Touring por preços a partir de R$ 129.100, exceto para o estado de São Paulo e para a cidade de Manaus, locais em que as alíquotas do ICMS são mais elevadas e, portanto, o valor final do carro também é mais alto. Ele ainda é mais em conta que o Chevrolet Cruze RS (parte de R$ 155 mil), mas já começa a se aproximar de bons SUVs, como o Tracker Premier, também da GM, que oferece motor turbo 1.0 e já eleva o patamar.

Preço joga contra e pode fazer algumas pessoas pensarem duas vezes antes de comprar o City hatch (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
Preço joga contra e pode fazer algumas pessoas pensarem duas vezes antes de comprar o City hatch (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos