Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.560,07
    +2.248,31 (+3,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

5 motivos para assistir A Casa Sombria

·5 minuto de leitura

A Casa Sombria acabou de ser lançado nos cinemas rodeado de muita curiosidade. O filme estrelado por Rebecca Hall (Godzilla vs. Kong) foi bastante elogiado pela crítica internacional pela sua proposta e pelo atmosfera criada na trama — e, em tempos de retomada do cinema, foi o suficiente para colocá-lo no radar de muita gente.

Só que, além dos elogios vindo de fora, existem outras razões pelas quais o filme merece ser visto. Apesar de a história da professora que começa a sentir uma estranha presença em casa após a morte do marido e a descobrir os segredos que ele guardava não seja assim tão original, a forma como tudo é conduzido chama a atenção e o ousado final é algo que a gente encontra muito pouco por aí.

Assim, se você está na dúvida se vale a pena ou não conferir o longa, o Canaltech traz cinco motivos que podem ajudá-lo a decidir se vale a pena assistir ao ótimo suspense de A Casa Sombria.

5. Flertando entre gêneros

Ao assistir ao trailer, você tem certeza de que A Casa Sombria é um filme de terror. Contudo, essa é apenas uma das facetas do longa. A trama é, na verdade, um belo suspense que mantém o espectador intrigado e tenso do começo ao fim, mas que flerta muito bem com outros gêneros para compor sua história.

Assim, em determinados momentos, ele entra no campo do terror e se apropria de algumas estruturas e linguagens para conduzir o espectador por esse lado sobrenatural. Em outros, ele mergulha no drama psicológico para puxar o público para esse lado mais humano e pessoal da protagonista.

O interessante é que o filme faz todas essas transições muito bem a ponto de você ficar se perguntando qual é o gênero real do longa. Essa dúvida está longe de ser um problema, pois só mostra como o roteiro sabe conduzir sua história por campos tão diferentes sem se perder — e com um propósito bem claro de seu roteiro.

4. Não é óbvio

A Casa Sombria joga várias pistas para que você se perca em meio ao labirinto criado pelo roteiro (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)
A Casa Sombria joga várias pistas para que você se perca em meio ao labirinto criado pelo roteiro (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

Um dos maiores crimes de um suspense é ser óbvio. Sabe aquela história que na metade você mata a charada do que está acontecendo e todo o resto se torna só uma lenga-lenga sem fim? Isso não é um problema para A Casa Sombria, que consegue levar a trama para lados inesperados e surpreender o público até o último minuto.

Ao longo de todo o roteiro, o filme vai dando pistas sobre o que está realmente acontecendo com a protagonista e o mistério envolvendo a sua casa e a morte do marido. Só que, quando você acha que encontrou a resposta, ele traz evidências que levam para um caminho totalmente diferente. E ele vai brincando com o espectador até o final.

Por mais que você seja um veterano em histórias assim, a surpresa no final é quase inevitável. E não se trata de nada fora da caixinha, já que todos os indícios foram apresentados desde o começo. O destaque mesmo é o modo como o roteiro consegue colocá-lo dentro desse labirinto para que você não consiga ver o que vem logo à frente.

3. Final aberto

As explicações para o que está acontecendo dependem da interpretação que você tira de tudo (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)
As explicações para o que está acontecendo dependem da interpretação que você tira de tudo (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

E essa surpresa resulta justamente em um final bastante aberto. Embora A Casa Sombria traga respostas sobre o mistério que ronda a personagem de Rebecca Hall e sua casa, cabe a você atribuir significados àquilo tudo e decidir o que é verdadeiro e o que não é. Ou será que todas são?

Como dito, o filme cria diferentes trilhas para você seguir ao longo da trama e, dependendo das pistas que você coletou, a sua interpretação do final muda. Isso deixa tudo ainda mais interessante, pois te deixa pensando no roteiro por muito tempo e com vontade de rever tudo para seguir por outro caminho e ver se as explicações também se encaixam.

Essa ambiguidade é algo muito difícil de ser construída e é ainda mais complicado fazer com que um final aberto dessa forma seja satisfatório. Por isso, pode ter certeza que muita gente vai torcer o nariz para a falta de respostas em A Casa Sombria, embora todas elas estejam lá — mesmo que não de forma óbvia. E é isso que faz o longa ser tão mais interessante do que a maioria dos suspenses por aí.

2. Rebecca Hall carrega o filme nas costas

Ignora a moça à direita: o filme todo é da Rebecca Hall (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)
Ignora a moça à direita: o filme todo é da Rebecca Hall (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

Não é exagero dizer que A Casa Sombria é quase como um monólogo de Rebecca Hall. A atriz passa a maior parte do tempo sozinha em casa lidando com essa presença que ela não entende o que é e revirando os segredos do marido — o que joga em seus ombros a responsabilidade de conduzir essa ambiguidade do roteiro.

E ela faz isso muito bem. A partir da força da sua atuação, a gente transita entre o terror de lidar com o sobrenatural cada vez mais próximo e o drama de ter que lidar com o luto e a busca por respostas que preencham o vazio deixado por uma morte tão traumática. E ela faz esses saltos de forma muito natural, sem cair nos exageros e dizendo muito só pelo olhar.

1. Discussão densa

Filme usa ótimas alegorias para tratar de tema pesado sem cair no lugar comum (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)
Filme usa ótimas alegorias para tratar de tema pesado sem cair no lugar comum (Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

Todos esses pontos citados acima convergem para a grande discussão a que A Casa Sombria se propõe: como encaramos o luto, a morte e a própria depressão. Toda essa ambiguidade que o final aberto propõe e as questões apresentadas ao longo da trama apontam justamente para as diferentes leituras que podemos ter desses tópicos.

Assim, o sobrenatural funciona não como um elemento de terror, mas como uma alegoria para as fantasias que a gente cria para explicar nossas próprias dores e nossas ações autodestrutivas. E é interessante como o filme trata essas questões tão densas, ora partindo para esse lado mítico da coisa, ora sendo racional — e sem cair nas armadilhas das analogias baratas ou de banalizar um assunto sério.

A Casa Sombria está em cartaz nos cinemas de todo o Brasil; garanta seu ingresso na Ingresso.com.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos