Mercado fechado

5 filmes de ficção científica que erraram feio na ciência

Muitos filmes de ficção científica exploram os alcances mais distantes da imaginação humana, junto dos melhores efeitos visuais que os grandes estúdios conseguem oferecer. Entretanto, não é sempre que os filmes de ciência se mantêm fiéis aos conceitos que guiam os roteiros.

Isso não é exatamente um problema; afinal, o objetivo dos filmes é entreter quem os assiste. Como não é possível viajar com máquinas do tempo ou travar batalhas espaciais, os diretores adotam certa licença poética para oferecer histórias divertidas — mas, às vezes, estas liberdades criativas ficam bem distantes da realidade.

Por outro lado, isso não impede que você se maravilhe com as aventuras de Luke Skywalker, protagonista da trilogia original da franquia Star Wars ou que imagine como seria viajar no tempo junto de Marty McFly, célebre personagem da franquia De Volta para o Futuro.

Filmes de ficção científica com erros científicos

Abaixo, você confere alguns filmes de ficção científica que, apesar de terem histórias divertidas e envolventes, parecem ter deixado um pouco de lado conceitos científicos importantes:

Armageddon (1998)

No filme Armageddon, astronautas tentam destruir um asteroide (Imagem: Reprodução/Touchstone Pictures)
No filme Armageddon, astronautas tentam destruir um asteroide (Imagem: Reprodução/Touchstone Pictures)

Armageddon foi dirigido por Michael Bay, e retrata um asteroide com 1 km de diâmetro, descoberto quando faltavam menos de 20 dias para chocar com nosso planeta. Para tentar salvar a Terra, a NASA decide enviar um grupo de astronautas para instalar uma bomba na rocha espacial que irá explodi-la em dois pedaços, que passariam ilesos pela Terra.

Para uma bomba destruir um asteroide do tamanho daquele do filme, ela teria que explodir com a mesma energia produzida pelo Sol, algo que seria ainda mais perigoso que o asteroide propriamente dito. Além disso, convenhamos que um asteroide de dimensões tão grandes seria certamente identificado com pelo menos alguns meses de antecedência.

2012 (2009)

Dirigido por Roland Emmerich, 2012 traz uma sequência de catástrofes destruidoras na Terra com base em uma antiga previsão maia, que teria descrito que o mundo acabaria em 21 de dezembro de 2012. Os “culpados” pelos desastres são neutrinos vindos do Sol, que aquecem o núcleo interno terrestre a ponto de afetar a estabilidade das camadas do nosso planeta, causando uma grande devastação.

Os neutrinos realmente existem, mas eles não se comportam assim: estas partículas atravessam a matéria sem interagir com ela, e mesmo que pudessem aquecer o núcleo da Terra a algumas centenas de milhares de graus, a superfície do planeta teria sido destruída muito antes de o núcleo chegar a esta temperatura.

Prometheus (2012)

Cena do filme Prometheus, prelúdio da série Aliens (Imagem: Reprodução/Twentieth Century Fox Film Corporation)
Cena do filme Prometheus, prelúdio da série Aliens (Imagem: Reprodução/Twentieth Century Fox Film Corporation)

Prelúdio da série Aliens e dirigido por Ridley Scott, Prometheus retrata uma equipe de cientistas e exploradores que parte em uma jornada para descobrir as origens da raça humana. Entretanto, ao chegar a um mundo distante, eles encontram uma ameaça que pode simplesmente aniquilar a humanidade.

A tripulação passa a viagem adormecida, e quando acorda, um deles afirma que viajaram por 35 anos-luz, e que estão a 1,3 bilhões de km da Terra. O número pode até impressionar, mas significa apenas que eles estavam a cerca de 9,4 trilhões de quilômetros — para ter uma estimativa, considere que esta distância os colocaria apenas um pouco além de Júpiter.

Gravidade (2013)

Gravidade, de Alfonso Cuarón, traz a história de Ryan Stone, uma especialista de missão que embarca em sua primeira missão a bordo do ônibus espacial Explorer. Enquanto realiza uma atividade extraveicular para consertar o telescópio espacial Hubble, ela é alertada de detritos espaciais se aproximando em direção ao veículo.

No caso deste filme, há alguns detalhes pequenos, mas incorretos, que merecem atenção. Por exemplo, embora o longa mostre que o telescópio, a Estação Espacial Internacional e a estação espacial chinesa Tiangong-1 estão próximos o suficiente para permitir viagens entre eles, cada um está em diferentes altitudes e órbitas. Além disso, corpos humanos expostos ao frio do espaço não seriam congelados instantaneamente.

Lucy (2014)

Você já deve ter ouvido que usamos apenas 10% do nosso cérebro. Então, o que aconteceria se existisse uma substância capaz de aumentar as capacidades cerebrais a ponto de uma pessoa conseguir viajar pelo tempo, vencer lutas contra equipes inteiras de polícia e mais? É este o cenário abordado em Lucy, sob direção de Luc Besson.

Um dos maiores problemas do filme está nos supostos 10% de uso do cérebro, um equívoco popular que guia a história. Não se sabe ao certo de onde surgiu este mito, mas o fato é que a maior parte do cérebro está ativa o tempo todo: todos nós acessamos 100% do cérebro todos os dias, já que diferentes partes do órgão são acessadas para diferentes tarefas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: