Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,44
    -0,48 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.834,50
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    55.594,88
    -3.278,91 (-5,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,67
    -103,62 (-6,64%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.924,87
    -593,47 (-2,01%)
     
  • NASDAQ

    13.224,00
    -132,75 (-0,99%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3558
    +0,0156 (+0,25%)
     

5 clássicos do cinema que quase não foram feitos

Rafael Monteiro
·4 minuto de leitura
De Volta Para o Futuro, Toy Story, Star Wars: filmes que quase não saíram do papel
De Volta Para o Futuro, Toy Story, Star Wars: filmes que quase não saíram do papel

Dá para adivinhar que um filme vai se tornar um clássico do cinema? Achamos que sim, ainda que a tarefa certamente não seja das mais fáceis, como mostram alguns longas icônicos que foram feitos sob desconfiança de executivos de Hollywood. 

Abaixo, relembramos algumas dessas histórias, destacando as suspeitas levantadas durante a fase de pré-produção dos filmes. Os exemplos mostram que, na arte, nem tudo que é perfeito é conseguido sem alguns erros corrigidos no caminho.

Leia também:

De Volta para o Futuro (1985)

Christopher Lloyd e Michael J. Fox em cena de De Volta para o Futuro (Divulgação)
Christopher Lloyd e Michael J. Fox em cena de De Volta para o Futuro (Divulgação)

O caminho para aprovação do clássico oitentista foi bem tortuoso e cheio de "nãos" para os roteiristas Robert Zemeckis e Bob Gale. A Columbia Pictures recusou o primeiro projeto do clássico por considerá-lo "não sexual o bastante, enquanto a Disney não gostou do quase romance incestuoso entre Marty McFly e e a sua mãe no passado. Eles só conseguiram convencer a Universal Pictures com a ajuda de Steven Spielberg, que se ofereceu para ser produtor executivo da obra. Quando contrato estava fechado, ainda houve uma indecisão quanto ao intérprete do protagonista McFly: Eric Stoltz, que viria a interpretar o traficante Lance anos mais tarde no clássico "Pulp Fiction" (1994), chegou a gravar algumas cenas do filme, mas acabou sendo substituído por Michael J. Fox.

Toy Story (1994)

(Imagem: divulgação Disney)
Woody e Buzz era bem mais sarcásticos na primeira versão de "Toy Story" (Imagem: divulgação Disney)

A fase de pré-produção do clássico da Pixar foi recheada de muita incerteza. Até chegar na versão final, o criador John Lasseter e a sua equipe bateram muita cabeça com os executivos da Disney. No fatídico dia 19 de dezembro de 1993, os animadores apresentaram a primeira versão de Toy Story e causaram espanto nos seus superiores - com piadas sarcásticas, Woody e Buzz Lightyear não eram exatamente os personagens infantis que a empresa esperava. "Estávamos tentando fazer algo diferente e nervoso, e diferente de qualquer filme de animação", disse a produtora da Pixar, Darla K. Anderson, em entrevista anos depois. "Estávamos tentando fazer de Woody um personagem que levava sempre vantagem ... Levamos isso longe demais", completou ela. A Disney chegou a pensar em transformar o filme em um musical (!) e deu um prazo de três meses para que Lasseter reformulasse o projeto. No fim, os ajustes necessários foram feitos e o longa se tornou uma referência para a animação gráfica.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança (1977)

American actors Mark Hamill, Carrie Fisher and Harrison Ford on the set of Star Wars: Episode IV - A New Hope written, directed and produced by Georges Lucas. (Photo by Sunset Boulevard/Corbis via Getty Images)
Mark Hamill, Carrie Fisher e Harrison Ford em cena de "Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança" (1977) (Photo by Sunset Boulevard/Corbis via Getty Images)

Os fãs da saga criada por George Lucas conhece de cor essa história: antes de ser aprovado pela 20th Century Fox, o longa foi recusado pelos estúdios United Artists e Universal. Porém, mesmo com o contrato assinado, ainda havia muita desconfiança em torno da obra. Com as filmagens na Tunísia interrompidas por seguidas tempestades, Lucas chegou a receber um ultimato: se não terminasse o filme em uma semana, todo o trabalho seria jogado no lixo. Abusando das horas extras de gravação, ele conseguiu cumprir o combinado.

A Vida de Brian (1979)

Graham Chapman carregando uma cruz em cena de
Graham Chapman carregando uma cruz em cena de "A Vida de Brian" (1979) (reprodução)

O clássico da comédia que satirizou a trajetória de Jesus teve dificuldades para ser financiado por motivos religiosos bastante óbvios. Mostrando a jornada errática do homem que é confundido com o Homem de Nazaré, o longa só chegou às telonas por causa do ex-beatle George Harrison, um fã de Monty Phyton que decidiu financiar o trabalho dos ídolos. Ainda assim, a obra foi censurada em alguns países.

Bonequinha de Luxo (1961)

Belgian-born actress Audrey Hepburn (1929 - 1993), in a black, shoulderless dress, matching gloves, and a tiara, smiles with a cigarette holder in her hand, in her role as Holly Golightly the film, 'Breakfast at Tiffany's,' directed by Blake Edwards, New York, New York, 1961. (Photo by Paramount Pictures/Courtesy of Getty Images)
Audrey Hepburn (1929 - 1993) em cena clássica de "Bonequinha de Luxo": a personagem Holly Golightly não foi originalmente escrita para ela (Photo by Paramount Pictures/Courtesy of Getty Images)

Você pode estar se perguntando: "como um filme com uma história tão amena pode ter tido problemas antes de ser lançado?". O problema envolvendo a obra passou pelo papel de Holly Golightly, uma personagem originalmente escrita por Truman Capote para Marilyn Monroe. Após a estrela recusar o papel, a produção escolheu Audrey Hepburn para o seu lugar, o que teria tirado Capote do sério. O longa quase não foi feito por causa dessa mudança e de outras muitas impostas por Hepburn. Dizem as más-línguas que ela exigiu a demissão do diretor John Frankenheimer e, por isso, Blake Edwards acabou sendo confirmado no projeto e que a personagem se tornou bem menos sexual para que fosse compatível com a persona pública da atriz. O fato é que, mesmo com todas as dificuldades, o clássico foi parar nas telas do cinema.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.