Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,70
    -1,27 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.766,00
    +14,60 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    43.280,99
    -4.323,85 (-9,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.078,03
    -56,36 (-4,97%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.994,25
    -331,75 (-2,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2511
    +0,0517 (+0,83%)
     

48% dos brasileiros são a favor da adoção do Bitcoin como moeda, aponta estudo

·3 minuto de leitura

O mercado das criptomoedas nunca foi tão popular quanto agora, e, segundo um levantamento, 48% dos brasileiros acreditam que o Brasil deve adotar o Bitcoin como moeda. A pesquisa foi encomendada pela Sherlock Comunicações.

O estudo, chamado Blockchain LATAM Report, ouviu 2.700 pessoas, com mais de 18 anos, de oito países da América Latina: Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Venezuela e México. O questionário foi realizado por meio de um painel online na plataforma Toluna, e era de múltipla escolha.

48% dos entrevistados acham que o Brasil deveria adotar o Bitcoin como moeda, sendo desse total, 31% que concordam e 17% que concordam fortemente com a proposta. O levantamento também mostra que os brasileiros, entre as oito populações participantes, são os maiores defensores do cripto-reconhecimento na América Latina, com 56% apoiando a abordagem de El Salvador, que começou a aceitar Bitcoin como moeda legal na última semana, e 48% dizendo que querem que o Brasil tome a mesma decisão.

Outros 30% dos brasileiros não concordam nem discordam que o país deveria aceitar a criptomoeda, enquanto 12% discordam e 9% discordam fortemente da proposta.

Brasileiros acreditam que criptomoedas podem aproximar as economias mundiais

O estudo encomendado pela Sherlock Comunicações também questionou os entrevistados sobre o impacto das criptomoedas no comércio global. Nessa questão, 32% dos brasileiros responderam que acreditam que elas podem aproximar as economias mundiais, 31% falaram que os criptoativos podem facilitar o intercâmbio internacional de dinheiro e 30% pensam que elas podem acabar com as moedas locais.

No mesmo questionamento sobre o impacto no comércio global, as respostas menos escolhidas foram o aumento da evasão de impostos para os mais ricos (12%), tornar as viagens mais fáceis (13%) e aumento de crimes e lavagem de dinheiro (13%).

<em>As respostas dadas pelos entrevistados sobre o impacto de criptomoedas no comércio global. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto)</em>
As respostas dadas pelos entrevistados sobre o impacto de criptomoedas no comércio global. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto)

Já no tópico sobre a posição do Brasil no mercado cripto como um todo, 35% dos entrevistados acreditam que o país está muito atrasado nessa frente quando comparado a outros locais, 31% disseram que a nação está fazendo progresso, 23% acreditam que nos próximos anos os usuários brasileiros dessa modalidade financeira irão aumentar e 4% acreditam que o assunto não tem futuro no país.

O estudo também questionou os entrevistados sobre as razões pelas quais eles investem em criptomoedas, sendo que, para 55% dos brasileiros o fator principal foi a diversificação de carteira, ou seja, ter variados tipos de investimentos. Entre outras respostas, 39% responderam que o investimento era uma forma de proteger seus ativos da inflação e instabilidade financeira, 37% acreditam que o investimento em moedas digitais é uma forma de se manter atualizado com as tendências tecnológicas e 28% disseram que é a melhor forma para receber pagamentos de trabalhos realizados para o exterior.

A pesquisa aponta que 45% dos brasileiros indicaram também que estão ganhando confiança no mercado depois de ler e compreender sobre criptos.

Medo de investir

Quando comparado ao mesmo estudo realizado em 2020, o número de brasileiros que dizem não investir em criptomoedas caiu, passando de 33% para 12% na pesquisa de 2021. Porém, ainda fica visível a insegurança que muitos têm nesse tipo de investimento.

Para 42% dos entrevistados, o principal problema em investir é a preocupação com a segurança do dinheiro investido em criptomoedas, um aumento e 10% em relação a pesquisa do ano passado, indicando que as constantes notícias de golpes envolvendo Bitcoin e outras moedas digitais estão preocupando a população.

<em>Os principais motivos pela qual pessoas na América Latina ainda não investem em criptomoedas. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto)</em>
Os principais motivos pela qual pessoas na América Latina ainda não investem em criptomoedas. (Imagem: Captura de Tela/Dácio Augusto)

No levantamento, 37% indicaram a instabilidade e as variações do mercado como a principal razão para não pensarem em fazer uso de moedas digitais agora, enquanto 33% disseram que não possuem dinheiro suficiente para investir. 26% dos brasileiros ouvidos disseram que não sabem o suficiente para investir em criptomoedas, enquanto 22% acreditam não ter habilidades técnicas para entrar nesse mercado.

Muitos entrevistados também responderam que não investem por conta das plataformas, com 39% acreditando que faltam empresas confiáveis para se investir e 36% respondendo que falta uma plataforma que seja fácil de usar e que não necessite de muitos conhecimentos especializados.

Confira o estudo completo aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos