Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.484,49
    -2.690,61 (-4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

45% das famílias mais ricas do mundo querem investir em Bitcoin, diz Goldman Sachs

·1 minuto de leitura
Bitcoins
Bitcoins

Uma recente pesquisa realizada por uma das principais instituições financeiras do mundo, a Goldman Sachs, revelou que os family offices de algumas das famílias mais ricas do mundo têm a intenção de investir em criptomoedas. O relatório sugeriu que 15% dos participantes da pesquisa já têm exposição aos ativos digitais.

A pesquisa conduzida pelo banco revelou que aqueles que buscam se envolver no frenesi das criptomoedas estão preocupados com um ambiente duradouro de baixas taxas de juros e o aumento constante da inflação.

Family offices são empresas privadas responsáveis ​​por administrar a riqueza das famílias ricas.

O relatório também revelou que 1/5 dos family offices que participaram da pesquisa já possuem mais de US $ 5 bilhões em ativos digitais sob gestão.

15% já compraram bitcoin, enquanto 45% dizem que ainda não, mas têm interesse em comprar.

Dos 39% que não estão interessados, 38% dizem que é porque não estão familiarizados com criptomoedas ou não estão confortáveis ​​com a infraestrutura atual.

Os que vão investir disseram acreditar que as criptomoedas servem como proteção contra a inflação.

“Alguns escritórios familiares estão considerando as criptomoedas como uma forma de se posicionar para uma inflação mais alta, taxas baixas prolongadas e outros desenvolvimentos macroeconômicos após um ano de estímulo fiscal e monetário global sem precedentes”, afirma o relatório, acrescentando:

“Dos aproximadamente dois terços dos family offices que estão pensando ativamente em um aumento na inflação, os ativos digitais surgiram como uma solução de portfólio. A desvalorização da moeda também tem sido a prioridade de cerca de 40% dos entrevistados globais, com mais de 40% desse subconjunto indicando que eles considerariam investir em ativos digitais.”

Nos EUA, 24% dos family offices já investiram em Bitcoin, enquanto na Europa, no Oriente Médio e na África (EMEA), o percentual chega a 10%.

A razão pode ser porque os Estados Unidos estão ligeiramente à frente da Europa em termos de conscientização sobre o bitcoin, principalmente com fundos de hedge americanos e investidores institucionais mergulhando nas criptomoedas este ano.

A Europa pode seguir com o nível de interesse sugerido aqui, 68% para a Ásia, indicando que as criptomoedas estão a caminho de se tornar uma parte importante das carteiras de investimento, pelo menos no que diz respeito aos ricos, que geralmente administram sua riqueza por meio de escritórios familiares.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos