Mercado abrirá em 3 h 56 min

4º tri de 2019 marcou fim de expansão de 3 anos no Brasil, diz Codace, da FGV

Ana Conceição

O grupo sinalizou a entrada do país em uma recessão a partir do primeiro trimestre de 2020 O Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace), da Fundação Getulio Vargas (FGV), identificou, na sua última reunião, na sexta-feira, 26, a ocorrência de um pico no ciclo de negócios brasileiro no quarto trimestre de 2019.

Silvia Zamboni/Valor

O pico representa o fim de uma expansão econômica que durou 12 trimestres — do primeiro trimestre de 2017 ao quarto de 2019 — e sinaliza a entrada do país em uma recessão a partir do primeiro trimestre de 2020, diz o grupo, ligado ao Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV.

O Codace também realizou a datação mensal da recessão de 2014-2016 ao identificar um pico em março de 2014 e um vale em dezembro de 2016. Isso significa que a recessão teria durado 33 meses, entre abril de 2014 e dezembro de 2016.

O Codace foi criado pela FGV em 2004 com a finalidade de determinar uma cronologia de referência para os ciclos econômicos brasileiros, estabelecida pela alternância entre datas de picos e vales no nível da atividade econômica. A fase cíclica marcada pelo declínio na atividade econômica de forma disseminada entre diferentes setores econômicos é denominada recessão. A fase entre um vale e um pico do ciclo é chamada expansão.

O Codace é formado por oito membros com conhecimento em ciclos econômicos. Embora tenha sido criado e receba apoio operacional da FGV, a FGV destaca que as decisões do Comitê são independentes. No comunicado desta segunda-feira, o comitê também informou a entrada de dois novos membros: os professores Fernando Veloso, em substituição a Regis Bonelli, e Vagner Ardeo, na condição de membro secretário sem direito a voto.

Além deles, estiveram presentes na reunião os especialistas: Affonso Celso Pastore, diretor da AC Pastore & Associados, como coordenador; Edmar Bacha, diretor do Iepe-Casa das Garças; João Victor Issler, professor da FGV/EPGE; Marcelle Chauvet; professora da Universidade da Califórnia; Marco Bonomo, pofessor do Insper; e Paulo Picchetti, professor da FGV/EESP e pesquisador do FGV/IBRE.