Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.969,87
    +23,18 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

4 a cada 10 brasileiros negam oferta de trabalho por salário

Brasileiros recusam propostas com valores baixos (Getty Image)
Brasileiros recusam propostas com valores baixos (Getty Image)
  • Pesquisa mostra que 41% dos brasileiros recusam empregos que pagam pouco;

  • Distância, não gostar das atividades ou falta de benefícios também influenciam em decisão;

  • Trabalhadores negociam remunerações para aumentar os valores pelas vagas.

Com exceção de pessoas muito ricas e herdeiros, os trabalhadores desempenham funções profissionais para pagar as contas. Mas, quando as vagas oferecem salários baixos para o cargo, não são atrativas para os candidatos que poderiam ocupar os postos de trabalho.

Uma Pesquisa de Profissionais Brasileiros, realizada pela Catho, marketplace de tecnologia que conecta empresas e candidatos, mostra que 41% dos das pessoas chegam a recusar uma oferta de emprego por remuneração insuficiente.

O levantamento aponta ainda que 28% dos entrevistados já recusaram propostas por serem em locais longe de onde moram, 14% por não gostarem do escopo do trabalho 7% por benefícios insuficientes.

Contudo, o estudo mostrou ainda que 32% dos entrevistados afirmam conseguir elevar a oferta inicial do contratante em 11 a 20%.

"A pesquisa revela os desafios do cenário econômico e também aponta para a forma como os profissionais vêm observando o real valor do seu trabalho, incluindo todos os investimentos feitos em estudos, fazendo com que o candidato peça o aumento da proposta salarial inicial feita pelas empresas durante o processo seletivo", disse Carolina Tzanno, Gerente Sênior de Recursos Humanos da Catho, ao Portal Ig.

Ela ainda reforçou que "uma das estratégias adotadas é a revisão dos benefícios como meio de compor a remuneração total do colaborador, com destaque recente para ações focadas em saúde e bem-estar”. Essa seria uma forma de tornar as vagas mais atraentes para os candidatos com melhores qualificações do mercado.