Mercado fechará em 12 mins
  • BOVESPA

    98.819,37
    -802,21 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.635,39
    -426,22 (-0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    105,92
    -3,86 (-3,52%)
     
  • OURO

    1.808,70
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    18.922,35
    -1.188,57 (-5,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,97
    -25,49 (-5,91%)
     
  • S&P500

    3.788,56
    -30,27 (-0,79%)
     
  • DOW JONES

    30.798,43
    -230,88 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.591,75
    -99,25 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4776
    +0,0670 (+1,24%)
     

37% dos funcionários passam até 12h por semana em 'call'

·2 min de leitura
Dialpad Meeting aponta que vídeo chamadas chegam a consumir mais de 20 horas por semana para 5% dos entrevistados. (Getty Imagens)
Dialpad Meeting aponta que vídeo chamadas chegam a consumir mais de 20 horas por semana para 5% dos entrevistados. (Getty Imagens)
  • Pesquisa nos EUA aponta para o uso extremo das reuniões em empresas;

  • Problemas técnicos, excesso de reuniões e sobrecarga profissional irrita trabalhadores;

  • Desde o início deste ano a OMS considera Burnout como doença.

Em cerca de dois anos de pandemia do novo corona vírus adquirimos hábitos como higienizar as mãos constantemente e usar o 'soquinho' para se cumprimentar. Mesmo nesse longo período a maior parte da população não aprendeu a lidar com as reuniões intermináveis.

Seja a vídeo-chamada, ligação por vídeo ou 'call', as reuniões estão tomando o tempo e a paciência de funcionários. De acordo com a pesquisa 'Stuck in Meetings?', 37% dos profissionais norte-americanos passam até 12 horas por semana em reuniões. E ainda 12% chega a passar entre 12 e 20 horas em chamadas de vídeo por semana.

O levantamento feito pela empresa de análise, Dialpad Meeting, com 2.800 profissionais estadunidenses entre janeiro de 2019 e junho de 2021 aponta que 5% dos entrevistados chegam a passar mais de 20 horas por semana em frente a tela conversando sobre tarefas de trabalho

Leia mais:

Outro fato apurado pelo levantamento são os segmentos que mais têm vídeo chamadas. As empresas de marketing e publicidade têm, em média, 20,9 reuniões por mês. Empresas de tecnologia, no outro extremo, tem cerca de 10,5 reuniões por mês.

E não é o fato de ter a reunião em si que afeta os profissionais. O problema com o áudio irrita 50% dos entrevistados. Dificuldade para ler o que está sendo apresentado, qualidade ruim do vídeo, excesso de reuniões, encontros desorganizados e insuficiência de recursos nas plataformas de vídeo conferência são outros problemas apontados pelos trabalhadores americanos.

Esta reunião poderia ter sido um e-mail

Para 82,9% dos entrevistados as reuniões não necessitam do vídeo e poderiam ser feitas apenas com o áudio ou por uma mensagem de texto.

O excesso de reuniões pode afetar a produtividade e o bem-estar físico e mental dos funcionários. De acordo com presidente da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), Antônio Geraldo da Silva, em entrevista ao InfoMonye, as vídeo chamadas podem afetar o emocional dos funcionários.

“No home office, o volume de horas trabalhadas teve um aumento de forma clara. Com uma reunião atrás da outra, você simplesmente não para de trabalhar. As empresas precisam lidar com a exaustão do funcionário de forma proativa, identificando o problema antes que ele aconteça de fato”, explica Silva.

Desde o início deste ano a OMS (Organização Mundial da Saúde) considera o Burnout como “estresse crônico de trabalho que não foi administrado com sucesso" em seu catálogo internacional de doenças.

Com informações do InfoMoney.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos