Mercado abrirá em 6 h 17 min

365 Dias: além de ruim, filme erótico exibido na Netflix romantiza abuso

365 Dias: filme erótico exibido na Netflix é ruim e romantiza abuso (reprodução)

365 Dias é a atração mais vista do catálogo brasileiro da Netflix no momento. Com roteiro extremamente problemático e poucas qualidades como cinema, o sucesso do filme polonês se justifica meramente pelas cenas de sexo, comparadas por muitos às vistas em Cinquenta Tons de Cinza. Porém, acredite: elas passam longe de fazer valer o pacote completo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Inspirado na trilogia de livros da autora Blanka Lipinska, o filme conta a bizarra história de Massimo Torricelli (Michele Morrone), um jovem mafioso que se apaixona por uma turista que passa alguns dias com amigo na Itália. Obcecado pela desconhecida, ele decide sequestrá-la com o objetivo de fazer com que ela se apaixone num período de 365 dias.

Leia também

Os problemas estão postos no enredo e são gritantes. O filme é basicamente uma ode à Síndrome de Estocolmo - estado psicológico em que a vítima, submetida a um tempo prolongado de intimidação, cria vínculo sentimental com o seu agressor. É isso que acontece na história: presa em cativeiro, Laura Biel (Anna Maria Sieklucka) se apaixona pelo mafioso.

O longa ainda normaliza alguns outros absurdos: até conquistar a vítima, Massimo assedia a personagem 11 vezes - contrariando a lição do "não é não". E, quando ela se apaixona, as coisas não melhoram muito - afinal, ela segue completamente submissa, rendida à paixão do companheiro. Sim, também dá para interpretar 365 Dias como uma apologia ao relacionamento abuso.

Em entrevista, Michele Morrone disse que tentou interpretar as cenas de sexo sob o ponto de vista de um viciado em sexo. Apesar do esforço do ator em trazer um pouco mais de complexidade para a trama, tais momentos são romantizados no longa. A obsessão do personagem é suprimida em cena por um suposto prazer alucinante que justifica qualquer tipo de violência psicológica.

E, por falar nas cenas de sexo, nem elas são grande coisa. Extremamente coreografadas, elas não ficam muito na frente do que talvez você já tenha visto em alguma madrugada, por engano ou não, no Cine Band Privê. Com tantos problemas no mundo, não crie mais um para a sua quarentena. Fuja desta bomba erótica.

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.