Mercado fechará em 42 mins
  • BOVESPA

    107.695,40
    +137,73 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.816,62
    -101,66 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,55 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.784,70
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    50.384,61
    -612,64 (-1,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.313,88
    +8,77 (+0,67%)
     
  • S&P500

    4.691,63
    +4,88 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    35.667,74
    -51,69 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.320,75
    +2,75 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2906
    -0,0491 (-0,77%)
     

31% das startups não têm colaboradores negros, diz levantamento

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apesar de dizerem apoiar a diversidade, parcela significativa das startups brasileiras sustenta uma equipe pouco diversa liderada por homens jovens. É o que dizem os dados de um mapeamento feito pela Abstartups (Associação Brasileira de Startups) e divulgado nesta sexta-feira (19).

Quando questionadas, 96,8% das empresas ouvidas afirmam apoiar a diversidade. A maioria (60,7%), porém, não tem ações voltadas ao tema, e em 31,2% delas não há nenhum colaborador negro.

Os números também mostram desequilíbrios de gênero e etários: 19,1% não têm colaboradoras mulheres e 62,3% não contam com pessoas com mais de 50 anos na equipe. Pessoas com deficiência e transgêneros estão em 9,2% e 8% das startups, respectivamente.

O mapeamento ouviu 2.486 startups entre agosto e setembro. O nível de confiança da pesquisa é de 99% e a margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Em relação à raça, 55,1% dos fundadores autodeclaram-se pardos e 4,5%, pretos. Quando se trata de gênero, idade e orientação sexual, os números voltam a mostrar desigualdade: apenas 10% das startups têm como fundadores apenas mulheres, e 83,3% têm até 45 anos. Os heterossexuais representam 92,1% dos fundadores.

A maioria também não tem iniciativas relacionadas aos princípios ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês): 56,1%.

As startups estão em peso no Sudeste, que concentra 51,1% dos empreendimentos. São Paulo, o estado mais populoso do Brasil, tem a maior taxa: 32,5%.

O segmento de educação é o mais popular: 11,5% das startups se enquadram nesse setor. Saúde e bem-estar aparece em segundo lugar, com 9,4%, e finanças em terceiro, com 8,5%.

O aquecido mercado de inovação também aparece nos números: 65,8% das startups não fizeram nenhum desligamento no último ano. Apesar disso, a maioria delas nunca recebeu um investimento: 64,8%.

Das que receberam, o investidor-anjo foi o mais comum. Nesse tipo de aporte, é feito um contrato por período de tempo determinado em que, ao final, o investidor pode continuar na empresa ou vender sua participação. Foram 41,4% os que receberam dinheiro nesse formato. A maior parte da somatória dos investimentos ficam na faixa entre R$ 50 mil e R$ 250 mil.

Enquanto 4,5% das empresas faturaram mais de R$ 5 milhões de janeiro a outubro de 2021, 27,1% não tiveram faturamento algum.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos