Mercado abrirá em 2 h 53 min

30 anos de Ghost - Do Outro Lado da Vida: os segredos escondidos no clássico

Cena clássica de Ghost - Do Outro Lado da Vida (reprodução)

Ghost - Do Outro Lado da Vida estreou nos cinemas estadunidenses em 13 de julho de 1990. O filme teve sucesso gigantesco: com US$ 507,7 milhões arrecadados em bilheteria ao redor do mundo, o longa estadunidense dirigido por Jerry Zucker é até hoje uma das obras sobrenaturais mais lucrativas da história do cinema.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Exatos trinta anos (e um dia) depois, o filme sobre um homem que se comunica com a amada depois de morto mantém lugar cativo no coração de muita gente que sonha em um momento íntimo a dois com argila. Celebrando um dos grandes clássicos da TV aberta brasileira e dos blockbusters de Hollywood, contamos alguns fatos poucos conhecidos sobre a obra.

Leia também

Filme mais reprisado da história da Sessão da Tarde: ao todo, o filme foi exibido 25 vezes. Segundo o site TV História, a estreia aconteceu em 6 de novembro de 1995, cinco anos após a sua estreia nos cinemas.

À procura de um machão que chora: Patrick Swayze ganhou o papel de Sam de forma inusitada. O roteirista Bruce Joel Rubin indicou o seu nome ao vê-lo chorando por causa de lembranças do pai em uma audição. Os produtores do longa buscavam justamente um homem sensível, que pudesse chorar convincentemente. Antes de Swayze, Bruce Willis, então namorado de Demi Moore, recusou o papel, pois não via como um romance funcionar com um personagem morto.

A escolha de Demi Moore: o filme transformou a atriz em uma das maiores estrelas de Hollywood. Mas quase o papel não foi dela. Antes de Moore, Meg Ryan chegou a fazer um teste para viver Molly.

Bebês das trevas: o som emitido pelos espíritos em outra dimensão nada mais é do que gravações de choros de crianças de colo em alta rotação. Nem tão assustador assim, vai.

Metrô abandonado: ainda sobre aspectos assustadores, as cenas do filme foram filmadas numa estação de metrô abandonada da Rua 42, em Nova York. Nas imagens do longa, os trens se movimentam no sentido contrário do que se via na realidade.

A amizade determinante entre Whoopi Goldberg e Patrick Swayze: Whoopi Goldberg venceu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel de Oda Mae Brown em Ghost. Em entrevista ao programa The View, da rede ABCD, a atriz revelou que o prêmio não seria possível sem Patrick Swayze. “Quando ganhei meu Oscar, a única pessoa a quem eu realmente agradeci foi Patrick”, contou. Segundo a atriz, Swayze foi o responsável por convencer o diretor Jerry Zucker a escalá-la para o papel. Ele teria até dito ao cineasta: “não farei esse filme a não ser que que você ponha Whoopi nele".

As coincidências na música que Sam cantarola: para tentar convencer a personagem de Goldberg a ajudá-lo a entrar em contato com a amada morta, o personagem de Patrick Swayze recorre à canção "I'm Henry VIII, I Am", conhecida nas vozes do grupo britânico Herman's Hermits. Curiosamente, a letra da faixa contém o verso "She wouldn't have a Willie or a Sam ("Ela não teria um Willy ou um Sam", em tradução livre)". Tratam-se de de dois nomes vistos no filme: Sam e Willie, assassino dele.

Toque de William Shakespeare: em um diálogo de Molly e Sam, ela chega a dizer que tem uma "vida encantada". A expressão também é dita por Macbeth, personagem icônico da fase trágica de Shakespeare, antes de ser assassinado. Não por acaso o personagem de Patrick Swayze morre após ver uma produção da peça clássica.

Mórbida coincidência: Vincent Schiavelli interpreta o fantasma que dá conselhos para Sam no metrô. Em determinada cena, o fantasma vivido pelo primeiro lamenta não poder fumar ao ver maços espalhados pelo chão da estação. Infelizmente, tanto Schiavelli quanto Patrick Swayze morreram aos 57 anos, vítimas da mesma doença: câncer (Schiavelli no pulmão e Swayze, no pâncreas).

Um pouco de comédia: Jerry Zucker foi contratado para ser o diretor sem o aval do roteirista Bruce Joel Rubin. O cineasta era conhecido por comédias como “Apertem os Cintos... O Piloto Sumiu!” e, por isso, era visto com desconfiança no set de filmagem. Por causa de Zucker, o drama amoroso ganhou toque de humor, principalmente nas cenas com Whoopi Goldberg.

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.