Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.957,68
    +31,45 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

24% dos brasileiros dizem ter comida insuficiente, aponta Datafolha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O percentual de famílias com comida insuficiente em casa voltou ao menor patamar registrado pela Pesquisa Datafolha. Ainda assim, praticamente um quarto dos brasileiros afirma que a quantidade de alimentos no lar nos últimos meses foi menos que o suficiente.

A falta de comida é citada por 24% dos entrevistados, ante 27% no levantamento anterior e 33% da pesquisa de julho, quando o percentual atingiu o maior patamar da série iniciada em maio de 2021. O piso de 24% também foi registrado em março deste ano.

O instituto ouviu 4.580 pessoas em 252 municípios entre terça (25) e esta quinta-feira (27). A pesquisa foi encomendada pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo e está registrada sob o código BR-04208/2022 no Tribunal Superior Eleitoral. A margem de erro é de dois pontos percentuais, com nível de confiança de 95%..

São 20% os que disseram que a comida foi mais do que suficiente, ante 16% no levantamento de setembro. O número é o dobro do verificado na primeira vez em que essa pergunta foi feita pelo instituto.

A quantidade de comida foi suficiente para 56% dos entrevistados, ante 57% apontados em setembro.

Entre os que declaram ter comida insuficiente, os índices são mais altos entre mulheres (29%) do que homens (18%), entre os menos instruídos (38%), mais pobres (36%), moradores do Nordeste (35%) e desempregados (39%).

Também se destacam os 34% apontados por pessoas que recebem o Auxílio Brasil. O presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro Paulo A falta de comida se tornou um assunto corriqueiro para os brasileiros e motivo de contestação por parte do governo.

"Fome pra valer, não existe, como da forma que é falado. O que que é extrema pobreza? Você ganhar US$ 1,9 por dia, isso da R$ 10. O Auxílio Brasil são R$ 20 por dia. Quem por ventura está no Mapa da Fome pode se cadastrar e vai receber", disse o presidente em agosto.

Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, da Rede Penssan, apontou que 15% dos brasileiros, ou 33 milhões de pessoas, estão em insegurança alimentar grave no Brasil --um patamar semelhante ao que havia sido registrado há três décadas.