Mercado fechará em 2 h 47 min
  • BOVESPA

    100.831,91
    +2.159,65 (+2,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.167,94
    +426,44 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,30
    +2,68 (+2,49%)
     
  • OURO

    1.826,60
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.745,37
    -607,46 (-2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,98
    -9,81 (-2,12%)
     
  • S&P500

    3.911,26
    -0,48 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.518,11
    +17,43 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.258,32
    +49,51 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.074,00
    -66,50 (-0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5258
    -0,0266 (-0,48%)
     

23 milhões de brasileiros vivem com menos de R$ 7 por dia

Número de brasileiros que vivem com menos de R$ 7 por dia representa 10,8% da população do país. (Foto: Getty Images)
Número de brasileiros que vivem com menos de R$ 7 por dia representa 10,8% da população do país. (Foto: Getty Images)
  • Brasil bate recorde, em 2021, no número de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza;

  • Isso quer dizer que há 23 milhões de pessoas vivendo com menos de R$ 7 por dia;

  • Aumento foi de 42,11% em relação ao ano anterior.

O Brasil bateu recorde, em 2021, no número de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza. O aumento foi de 42,11% em relação ao ano anterior, atingindo cerca de 23 milhões de brasileiros. Essa parcela vive com menos de R$ 7 por dia, ou R$ 210 mensais.

O número representa 10,8% da população – ou quase a população total da Austrália. Os dados são da FGV Social, com base na Pnad Contínua do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com a pesquisa, de 2020 para 2021, mais de 7,2 milhões de pessoas entraram para a parcela abaixo da linha da pobreza, com renda per capita menor que R$ 210 mensais. Com relação ao período pré-pandemia, o aumento foi de 3,6 milhões.

Oscilações

Em agosto de 2020, a pobreza atingiu seu menor ponto (3,9%) desde o início da série histórica, em 2015. Depois, em março de 2021, atingiu seu ápice (13,2%), devido ao interrompimento do Auxílio Brasil.

"Os brasileiros mais pobres têm de fato vivido uma montanha-russa nos três últimos anos. A renda mensal dos 10% mais pobres já vinha em queda antes da chegada da Covid-19 ao Brasil e despencou a menos da metade no início do isolamento social", dizem os autores da FGV Marcelo Neri e Marcos Hecksher na pesquisa, à Reuters.

Eles explicam que, em agosto do mesmo ano, a renda foi mais que quadruplicada, na fase “mais generosa do Auxílio Emergencial”, correspondendo a R$ 215. Em seguida, desabou para R$ 96 em novembro de 2021. “Este último projeta tendência negativa pois incorpora os valores nominais fixados do novo Auxílio Brasil face o cenário prospectivo de inflação alta, especialmente para baixa renda”, explicam.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos