Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.777,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    32.096,30
    +499,55 (+1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    755,54
    -38,78 (-4,88%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.271,75
    +13,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9189
    -0,0009 (-0,02%)
     

22% dos PCs ainda rodam Windows 7 e podem estar em perigo; entenda

·2 minuto de leitura

Um levantamento da Kaspersky, empresa especializada em segurança digital, revelou que 22% dos computadores do mundo ainda estão rodando o Windows 7. A popularidade do sistema operacional, principalmente entre o mercado corporativo, pode servir como uma boa porta de entrada para ataques, já que a plataforma foi descontinuada pela Microsoft em janeiro de 2020 e não recebe mais atualizações de segurança.

Números adicionais da pesquisa mostram que, além de quase um quarto dos computadores do mundo operam desta forma defasada, com outros quase 1% dos usuários ainda conectados a plataformas ainda mais antigas, como Windows XP e Vista. Em todos os casos, o perigo envolve a ausência de correções para falhas de segurança conhecidas, disponíveis somente no Windows 10.

A Kaspersky alerta ainda para o fato de muitos destes sistemas operacionais defasados estarem rodando em estruturas de micro, pequenas e médias empresas, que não têm departamentos de tecnologia dedicados ou plataformas robustas de proteção. São, apontam os especialistas, as organizações mais vulneráveis aos ataques, com uma atualização do inventário sendo a principal recomendação nesse sentido.

“Imagine que sua casa está velha e caindo aos pedaços; instalar uma porta nova não trará nenhum benefício”, explica Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe de pesquisa e análise da Kaspersky na América Latina. Ele aponta a necessidade de updates como fator essencial, apesar dos custos envolvidos, da familiaridade dos colaboradores e da percebida estabilidade de sistemas antigos. “[Atualizar] é a atitude correta a ser adotada para garantir a segurança e a confiabilidade dos dados, já que o custo de um incidente pode ser substancialmente maior.”

Por outro lado, os pesquisadores apontam para o fato de que 74% dos computadores do mundo estão rodando o Windows 10, o que significa que podem receber as atualizações de segurança mais recentes. Essa, então, é a segunda recomendação, com a aplicação de updates voltados para proteção e solução de bugs sendo essencial para manter o parque tecnológico à salvo das ameaças mais comuns.

Mesmo para estes, a dica é manter sistemas de download e instalação automática de updates sempre habilitados e programados de acordo com a rotina de trabalho. Além disso, é importante manter sistemas de proteção, como antivírus e firewalls, sempre atualizados e ativos, já que eles também ajudam na proteção contra as ameaças mais comuns.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos