Mercado fechará em 3 h 4 min

2,8 milhões buscaram atendimento na 1ª semana de junho com sintomas gripais

Alessandra Saraiva e Gabriel Vasconcelos

Segundo o IBGE, na semana anterior, esse número fora de 3,6 milhões O número de brasileiros com algum sintoma de síndrome gripal que buscaram atendimento médico em qualquer unidade de saúde, pública ou privada, caiu na primeira semana de junho. 2,8 milhões ou 17,5% dos sintomáticos se dirigiram à rede, quando, na semana anterior, esse número fora de 3,6 milhões. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid-19, realizada semanalmente pelo IBGE para medir os impactos da crise sanitária na Saúde e no mercado de trabalho.

Na primeira semana de maio, quando a pesquisa começou, os que buscaram atendimento por terem pelo menos um sintoma da doença foram de 3,3 milhões. Houve, portanto, um aumento na demanda dos serviços de saúde ao longo de todo o mês passado e, no início de junho, uma queda na procura de pacientes sintomáticos. Entre 31 de maio e 6 de junho, informou o IBGE, cerca de 15,8 milhões de brasileiros ou 7,5% da população do país teve pelo menos um dos 12 sintomas associados à síndrome gripal investigados pelo IBGE. O contingente de sintomáticos recuou frente à semana imediatamente anterior (22,1 milhões ou 10,5% da população) e, também, na comparação com o início de maio (26,8 milhões ou 12,7%). O IBGE também apurou que mais de 85% dos atendimentos realizados no início de junho foram na rede pública, o Sistema Único de Saúde.

Cerca de 943 mil pessoas procuraram atendimento em hospitais de fato - unidades públicas, particulares ou ligadas às forças armadas com alguma capacidade de internação. Esse contingente foi menor, mas estatisticamente equivalente ao registrado na semana anterior (1,084 milhão) e, também, ao da semana entre 3 a 9 de maio (1,065 milhão). Entre essas pessoas, 121 mil (12,8%) foram internadas. Nesse caso, também houve estabilidade com relação à todo o mês de maio.

Os sintomas investigados pelo IBGE são febre, tosse, dor de garganta, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dor no peito, náusea, nariz entupido ou escorrendo, fadiga, dor nos olhos, perda de olfato ou paladar e dor muscular.

Pixabay