Mercado abrirá em 8 h 48 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,90
    +0,92 (+1,24%)
     
  • OURO

    1.759,60
    +7,90 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    44.073,30
    +1.963,91 (+4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.100,50
    -2,56 (-0,23%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.253,36
    +61,20 (+0,25%)
     
  • NIKKEI

    30.255,25
    +6,44 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    15.371,75
    +53,00 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2580
    +0,0024 (+0,04%)
     

2,3 milhões de metros de cabos de telecom foram furtados no Brasil em 6 meses

·2 minuto de leitura

Uma extensão suficiente para cobrir a distância entre o Rio de Janeiro e Buenos Aires, na Argentina. Isso corresponde a 2,3 milhões de metros, o mesmo volume de cabos de telecomunicações furtados no primeiro semestre de 2021 em todo o Brasil.

A quantidade é 14,5% maior do que a registrada no mesmo período de 2020 (quando foram 2 milhões de metros de cabos). Os maiores prejudicados por essas ações são os usuários — que ficam sem acesso a serviços essenciais. Paralelamente, as empresas têm de repor os componentes.

Marcos Ferrari, presidente executivo da Conexis Brasil Digital, que reúne as empresas de telecomunicações e de conectividade, diz que essas ações criminosas impedem a prestação de serviços de maneira correta. “Ao mesmo tempo, afetam o funcionamento normal da sociedade. Com isso, os maiores prejudicados são os usuários.”

Imagem: Reprodução/Envato/duallogic
Imagem: Reprodução/Envato/duallogic

Em 2020, 6,7 milhões de clientes ficaram sem serviços em decorrência de roubo ou furto de cabos de redes de telecomunicações. Isso é quase o dobro da população do Uruguai. O número é 34% maior do que o registrado em 2019: na ocasião, cerca de 5 milhões de usuários tiveram os serviços interrompidos.

As ações comprometem, ainda, os serviços de utilidade pública como polícia, bombeiros e emergências médicas. O total deste ano já é metade daquele de todo o ano passado (4,6 milhões de metros de cabos). Em relação a 2019, o aumento é de 16%.

Ação e legislação

Empresas do segmento defendem uma ação coordenada de segurança pública que envolva o Judiciário, o Legislativo e o Executivo, paralelamente à aprovação de projetos de lei que aumentem as penas para esses crimes e ajudem a combatê-los. Além disso, eles apontam que é importante punir empresas que compram equipamentos furtados ou roubados e mudar a regra que penaliza as operadoras quando o serviço é interrompido em decorrência de crime.

Isso porque, segundo eles, essas interrupções provocam dupla penalidade: a ação criminosa em si (e que as companhias têm de combater com a recolocação dos cabos roubados) e a punição vinda do órgão regulatório, que aplica multa por serviço não prestado independentemente do motivo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos