Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.397,06
    -250,99 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

15% dos usuários de internet sofreram ataques durante 2022

15,3% dos usuários de internet em todo o mundo foram alvo de pelo menos um ataque cibernético ao longo de 2022. O número aparece em um relatório de final de ano publicado pela Kaspersky, empresa especializada em cibersegurança, que aponta malwares financeiros, ransomwares e mineradores de criptomoedas como as principais ameaças do período.

Os números são relacionados apenas aos usuários das soluções da companhia, mas já mostram o alcance das pragas digitais. No caso dos vírus que tentam minerar criptomoedas usando os dispositivos das vítimas, por exemplo, foram mais de 1,3 milhão de casos em todo o mundo, enquanto 376,7 mil tentativas de contaminação por malwares bancários foram bloqueadas pelos antivírus da companhia, também responsáveis por impedir 271,2 mil golpes de ransomware.

O Turcomenistão aparece como o país mais atingido por golpes, com 6,7% da população visada; Afeganistão (6,3%), Tajiquistão (5,2%), Yemen (3,7%) e Uzbequistão (3,5%) aparecem na sequência. Os nomes também se repetem em listas específicas, como aquelas dos territórios mais atingidos por mineradores ou ransomware.

Enquanto isso, o Brasil aparece com força nas estatísticas relacionadas a golpes envolvendo a Internet das Coisas. Nosso país é o quarto maior entre os que mais hospedam dispositivos infectados, utilizados principalmente em golpes de negação de serviço, agindo para derrubar redes ou sistemas inteiros devido a um gigantesco número de acessos simultâneos.

Entre as vulnerabilidades mais usadas em golpes contra os usuários estão oito aberturas críticas no navegador Google Chrome e nada menos do que 22 brechas no sistema operacional Windows, com 70% dos ataques sendo voltados a aplicações do pacote Office. A presença de tais vulnerabilidades chama a atenção, principalmente, pelo fato de muitas delas já estarem corrigidas pelos desenvolvedores, mas a demora dos usuários em aplicar atualizações faz com que ainda sejam acessórios importantes de ciberataques.

Os dados compilados pela Kaspersky foram obtidos entre outubro de 2021 e novembro de 2022. As estatísticas não incluem dispositivos móveis, já que um relatório focado especificamente no mercado mobile ainda será publicado pela empresa de segurança digital.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: