Mercado abrirá em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    112.273,01
    -43,15 (-0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.521,43
    -253,48 (-0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,47
    -0,43 (-0,55%)
     
  • OURO

    1.930,50
    -8,70 (-0,45%)
     
  • BTC-USD

    22.887,49
    -812,52 (-3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,29
    -18,58 (-3,45%)
     
  • S&P500

    4.017,77
    -52,79 (-1,30%)
     
  • DOW JONES

    33.717,09
    -260,99 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.784,87
    +19,72 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    21.669,42
    -400,31 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.952,50
    -15,50 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5417
    -0,0053 (-0,10%)
     

13º salário completa 60 anos; entenda a origem do pagamento

13º salário foi criado para formalizar uma prática comum nas empresas privadas
13º salário foi criado para formalizar uma prática comum nas empresas privadas
  • Criado em 1962, bonificação veio para formalizar uma prática comum no setor privado;

  • Consolidação do pagamento foi combatida pelas organizações patronais;

  • 13º salário se mostrou um ótimo meio de movimentar a economia no final do ano.

O 13º salário está fazendo aniversário. São 60 anos de existência da bonificação neste ano, e com ela vem ainda muita polêmica em torno do pagamento realizado na época natalina, porém basta olhar para a história do 13º para verificar a veracidade de algumas das afirmações.

Criado a partir da Lei 4.090/1962, de autoria do deputado Aarão Steinbruch (PTB-RJ), o abono de natal foi inicialmente proposto em 1959 a partir da justificativa de formalizar a gratificação de Natal paga pelas empresas aos seus funcionários. De acordo com o deputado, a lei seria uma forma de consolidar uma prática comum entre os trabalhadores da iniciativa privada.

No entanto, a proposta encontrou dificuldades em seu trâmite, sendo embarreirada por entidades empresariais que afirmavam que a formalização do décimo terceiro salário iria trazer prejuízos para as empresas e provocar demissões. Por outro lado, a legislação recebeu apoio de sindicatos trabalhistas, que ameaçaram greves gerais em São Paulo caso a proposta não fosse aprovada sem emendas.

As preocupações, ou ameaças, dos empregadores não vieram a se realizar, e o 13º se mostrou uma ótima ferramenta para impulsionar a economia no final do ano, aumentando a venda do comércio e a produção das indústrias.

Hoje muitos afirmam que a bonificação de final de ano, na verdade, não passa de descontos mensais no salário do funcionário pagos no fim do ano. Entretanto, pesquisas apontam que o 13º salário é uma ferramenta de organização da vida financeira do trabalhador. Muitas pessoas o utilizam, não como um salário pago em atraso, mas como uma bonificação, sendo gasto para as despesas de fim de ano, de retorno às aulas, para pagar dívidas e para poupar.

Um dado curioso sobre o 13º é que ele não teve origem no marco legislativo da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), criada pelo ex-presidente Getúlio Vargas em 1943, que instituiu medidas importantes como o salário mínimo, férias anuais, proteções ao trabalho da mulher e da criança, previdência social e as regulamentações dos sindicatos.

Pode-se pensar que o 13º foi uma demanda trabalhista pensada após a instituição da CLT, porém há documentos que comprovam a reivindicação pelo abono natalino desde 1921, quando aconteceram greves em indústrias paulistas exigindo o 13º.