Mercado fechará em 5 h 3 min

12 mitos de filmes em que acreditamos, mas que não funcionam na vida real

Claudio Yuge

Filmes normalmente extrapolam as leis da física e as características reais de eventos e objetos, para facilitar a narrativa. Em muitos casos, mesmo nas tramas que se apoiam em supostas teorias científicas, há uma base real — e isso ajuda a nos enganar. Abaixo estão 12 dos mitos mais famosos que são tão verossímeis a ponto de nos fazer acreditar que sejam verdade.

1. Câmeras de segurança

No cinema, as imagens obtidas em um monitoramento em circuito fechado mostram que, ao aumentar as fotos, oficiais conseguem identificar um vilão com uma clara visão de seu rosto, obtida com um zoom poderoso. Na realidade, a grande maioria das chamadas CCTV pode apenas captar imagens em baixa resolução — ou seja, o máximo que você conseguirá ver se “estourar a imagem” é um amontoado colorido de pixels gigantes.

Reprodução/Brightside


2. Dutos de ventilação

No cinema, você pode se esgueirar facilmente por uma estrutura de ventilação. Na realidade, esses dutos são muito menores — e uma das razões para serem assim é justamente para que corpos de humanos ou animais não entupam o sistema.

Reprodução/Brightside

3. Explosão

No cinema, você já deve ter visto à exaustão a cena em que heróis ou vilões deixam um local com uma enorme bola de fogo explodindo ao fundo. Na realidade, a explosão de uma bomba parece muito menos com fogos de artifício, pois ela emite apenas poeira e destroços para o ar.

Reprodução/Brightside

4. Piranhas

No cinema, as piranhas têm um cruel apetite por carne humana e podem dissolver um ser humano em questão de segundos. Na realidade, esses peixes são muito tímidos e cautelosos. Não há registro no mundo de morte alguma de um ser humano por ataque de piranhas.

Reprodução/Brightside

5. Areia movediça

No cinema, há várias sequências em que as pessoas são tragadas por areias movediças com uma força absurda, o suficiente para incapacitar completamente a locomoção das vítimas. Na realidade, as areias movediças são tão densas que nenhuma pessoa ou animal poderia ser absorvido por completo.

Reprodução/Brightside

6. Adrenalina

No cinema, quando uma pessoa precisa de uma injeção de adrenalina, as pessoas sempre enfiam a agulha diretamente no local que seria o coração. Na realidade, a substância precisa entrar pelas veias.

Reprodução/Brightside

7. Pressão 

É comum vermos em filmes as sequências em que alguém quebra uma janela ou destroi parte de um avião e tudo começa a ser expelido para fora. Na realidade, nesses casos a pressão entre a cabine e a atmosfera é estabilizada em questão de segundos. O que incomoda mesmo é o barulho das turbinas sem o isolamento acústico.

Reprodução/Brightside

8. Lava

Quem não se lembra do Exterminador do Futuro dando adeus ao cair em um poço de lava? Pois é, na realidade, a lava é tão densa que seria impossível alguém se “afogar” nela. A pessoa apenas ficaria sendo consumida pelo fogo, presa no mesmo lugar.

Reprodução/Brightside

9. Asteroide

Vários filmes mostraram ameaças de massivos corpos celestes que podem destruir a Terra repentinamente. Na realidade, a tecnologia e as previsões dos astrônomos são tão eficientes atualmente que fica possível saber sobre todos os asteroides passando por perto do nosso planeta nos próximos 100 anos.

Reprodução/Brightside

10. Laser

No cinema, sistemas de segurança, especialmente de bancos e museus, possuem lasers protetores bem visíveis, normalmente em feixes vermelhos. Na realidade, não existem sistemas de segurança com lasers, contudo, há feixes invisíveis que atuam como sensores.

Reprodução/Brightside

11. Rampas

Lembram daquele incrível salto do ônibus em alta velocidade em uma ponte no filme Velocidade Máxima? Então, aquilo na realidade, é impossível, pois, além de não haver inclinação suficiente para alcançar a parábola exibida durante o salto, a suspensão dos veículos iria simplesmente se desmontar com a força dessa tentativa.

Reprodução/Brightside

12. Queda

No cinema, é comum alguém cair imediatamente após levar um tiro. Na realidade, caso órgãos vitais não sejam atingidos, uma pessoa consegue continuar correndo em fuga mesmo depois de ser alvejada.

Reprodução/Brightside


Fonte: Canaltech