Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.408,43
    +1.645,42 (+4,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

100% Brasileira! Ministério da Saúde aprova início dos estudos da ButanVac

·1 minuto de leitura

Neste momento, há algumas vacinas contra COVID-19 em uso no Brasil: a da AstraZeneca/Fiocruz, a da Pfizer, a da Janssen e a CoronaVac, produzida pela Sinovac em parceria com o Butantan. E por falar nele, o Instituto está desenvolvendo uma vacina 100% brasileira contra a COVID-19: a ButanVac. Nesta quinta (1), a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), do Ministério da Saúde, aprovou o início dos estudos.

A comissão, com 50 integrantes, aprovou a segurança dos estudos após avaliar os detalhes do estudo com a ButanVac desde o último dia 22. As etapas contemplam checagem documental, nota técnica da assessoria, parecer da relatoria, câmara técnica, e revisão final do parecer. Ao todo, 418 pessoas com mais de 18 anos vão participar da pesquisa.

Vale observar que a ButanVac é a primeira vacina contra a COVID-19 produzida no Brasil sem que seja necessária a importação de matéria-prima. Os insumos básicos são ovos de galinha, frascos e embalagens, os mesmos usados para fazer a vacina da gripe. Por enquanto, a estimativa é que cada ovo tenha material suficiente para produzir duas doses de vacina.

(Imagem: ABBPhoto/envato)
(Imagem: ABBPhoto/envato)

Em cada ovo é injetada uma pequena quantidade do vírus da "doença de Newcastle", um mal aviário inofensivo em humanos, geneticamente modificado para receber a estrutura do coronavírus e estimular a produção de anticorpos contra a COVID-19 no organismo. O Butantan espera que a vacina seja mais eficaz contra novas variantes, já que a técnica permite escolher de qual cepa será retirada a proteína viral.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos