Mercado fechado

As 10 melhores histórias em quadrinhos do Pantera Negra

Claudio Yuge
·8 minutos de leitura

Desde que o Pantera Negra apareceu pela primeira vez como “convidado” da revista Fantastic Four #52, em 1966, tornou-se um clássico instantâneo. Além do visual cool e de sua grande habilidade com lutas, o pano de fundo com a nação Wakanda e a representatividade de ser o primeiro herói negro a se tornar protagonista de uma história em quadrinhos abriram caminho para que Luke Cage fosse o primeiro afroamericano a ter uma revista própria, anos mais tarde.

Com os anos T’Challa e Wakanda viraram parte crucial do cânone da Marvel Comicsl, e o Pantera Negra tornou-se, indiscutivelmente, o maior super-herói negro de todos os tempos. Sua participação também foi importante na ascensão do Marvel Studios, como um dos destaques em sua estreia em Capitão América: Guerra Civil. A encarnação na forma de Chadwick Boseman só aumentou a popularidade do personagem e consolidou-o como um símbolo da comunidade negra ao redor do globo.

A morte do ator só comprova que ele e T’Challa tinham muito em comum, como líderes capazes de unir os povos e dar voz à uma gigantesca nação. Para fazer uma reverência ao herói da Marvel e uma homenagem a Boseman, abaixo estão as 10 melhores tramas do personagem, em ordem decrescente.

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Vale destacar que alguns desses arcos podem ser encontrados em encadernados brasileiros e no serviço Marvel Unlimited. E todos estão disponíveis no ComiXology, que, aliás, tem oferecido esse conteúdo de graça, por tempo limitado, como forma de lembrar de Boseman — portanto, aproveite enquanto há tempo, basta digitar as edições descritas em cada coleção para curtir; lembrando que esses originais são em inglês.

10. O Homem Sem Medo

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

O título lembra o famoso apelido do Demolidor porque, bem, o Pantera Negra realmente substitui Matt Murdock como defensor da Cozinha do Inferno por um breve período. T'Challa é destituído de seu trono e de seus poderes e precisa sobreviver como gerente de uma lanchonete, enquanto divide seu tempo como protetor do bairro.

É um arco interessante, especialmente porque brinca com as comparações entre o Pantera Negra e o Batman. Aliás, a ambientação criada pelo roteirista Francesco Francavilla até evoca a estética da animação Batman: The Animated Series.

A história acontece nas edições Black Panther: The Man Without Fear #513-523 e Black Panther: The Most Dangerous Man Alive 523.1, 524-529.

9. Inimigo do Estado II

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

T’Challa é, acima de tudo um rei, que faz o que for necessário para proteger seu país. Aqui, ele defende suas fronteiras fazendo alguns inimigos poderosos, no caso um então aliado, o Homem de Ferro. Os dois personagens são mestres da manipulação, que jogam xadrez com todos os seus recursos, inclusive seus “brinquedos” hi-tech.

O resultado é uma história que põe à prova o intelecto de dois gênios — e é uma trama que consolida o T’Challa como um dos personagens mais astutos e inteligentes do Universo Marvel.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 3 #41-45.

8. A fúria de Killmonger

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Christopher Priest é o escritor que mais elevou o status do personagem e ampliou as possibilidades de narrativa. E, embora ele sempre colocasse T’Challa como um herói à frente de seu tempo, às vezes ele gostava de explorar o passado tribal do universo wakandiano. Aqui, ele traz Erik Killmonger em rota de colisão com o Pantera Negra.

O antagonista é um wakandiano corrompido pelos valores ocidentais e aparece como uma antítese de T’Challa. Essa comparação mostra como o Pantera Negra poderia ser diferente e destaca seu espírito elevado. Não à toa, foi uma das bases para a adaptação para os cinemas.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 3 #18-35 e Deadpool #44.

7. A noiva

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

O casamento do Pantera Negra com a Tempestade dos X-Men é um dos maiores eventos da história da Marvel e um dos importantes acontecimentos paralelos à Guerra Civil dos quadrinhos. A união dos personagens carrega um interessante aspecto político durante a trama.

Contudo, Ororo e T’Challa se separaram quando ela escolheu ficar ao lado dos mutantes após Namor ter inundado Wakanda — uma rivalidade que estaria a caminho dos cinemas em Pantera Negra 2. E, embora o casal não esteja mais junto, esse arco reverbera até hoje nas páginas da Marvel Comics.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 3 #14-18.

6. O cliente

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Esse é um dos arcos mais proeminentes de Christopher Priest. T'Challa viaja de Wakanda para a cidade de Nova Iorque para investigar o assassinato de uma jovem e, no processo, roteirista mostra as habilidades e a dignidade que separam T'Challa de seus companheiros heróis.

Priest introduz novos elementos à mitologia, como as icônicas guarda-costas Dora Milaje, e usa o agente Everett K. Ross como um contraponto que, segundo o escritor, permitiu-lhe "preencher a lacuna entre a cultura africana na qual o mito dos Panteras Negras está imerso e os leitores predominantemente brancos para os quais a Marvel vende".

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 2 #1-5.

5. Uma nação sob nossos pés

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Esse arco tem o mesmo livro do vencedor do prêmio Pulitzer, de Steve Hahn, sobre a evolução do poder político afroamericano nas seis décadas após a Guerra Civil estadunidense. Nos quadrinhos, a trama estabelecida pelo jornalista e ativista Ta-Nehisi Coates na era moderna, com toques de afrofuturismo.

Aqui, T'Challa perde o controle de seu país para a guerra civil e é forçado a confrontar seu relacionamento com sua família, seu povo e com o manto da Pantera Negra. A arte de Brian Stelfreeze é a cereja do bolo.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 6 #1-4.

4. A fúria do Pantera

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Antes de Priest ou Coates, o personagem foi alçado a novos voos graças a Don McGregor. Foi neste arco que o Pantera Negra deixou de vez de ser apenas um “reserva” de luxo do Quarteto Fantástico e dos Vingadores e assumiu uma história própria em Wakanda.

Vários dos elementos do país de T’Challa, assim como da mitologia do personagem, foram introduzidos com a ajuda de artistas consagrados, a exemplo de Rich Buckler, Klaus Janson e Gil Kane. E foi aqui que Erik Killmonger apareceu pela primeira vez.

A história acontece nas edições Jungle Action Vol. #6-24.

3. Quem é o Pantera Negra?

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Reginald Hudlin e John Romita Jr., especialista em reintroduzir personagens, revitalizam o Pantera Negra nos anos 2000 ligando sua história pessoal com a história política de Wakanda. É aqui que vemos como T'Challa conheceu Ororo Munroe, a Tempestade dos X-Men, e como o rei se impõe ao imperialismo norte-americano — uma metáfora mais ampla reflete sobre a relação da África com os países colonizadores.

Essa seria uma das principais inspirações de Chadwick Boseman para sua interpretação de T’Challa no filme do Marvel Studios.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 4 #1-18.

2. Invasão Secreta

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

Jason Aaron seguiu Hudlin durante a invasão de Skrulls no Universo Marvel. Em “Veja Wakanda e Morra”, vemos o verdadeiro poder de Wakanda, quando a tecnologia falha e seu povo precisa encarar a luta corpo a corpo.

O Pantera Negra prova seu valor enfrentando o Super Skrull e definindo um plano para Wakanda banir os inimigos. Aaron e o artista Jefte Palo ajudam a solidificar o legado de T'Challa como guerreiro, estrategista e rei.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 4 #39-41.

1. Inimigo do Estado

<em>Imagem: Reprodução/Marvel Comics</em>
Imagem: Reprodução/Marvel Comics

A melhor história do personagem só poderia vir das mãos de Priet, que, aqui, usa mais vez o Agente Ross como uma “isca” para uma trama política. T'challa descobre um complô dos Estados Unidos para minar e substituir o atual regime de Wakanda, com o objetivo de controlar o país e, claro, suas reservas de vibranium.

Priest acreditava que o papel de T'Challa como rei deveria ter ramificações políticas reais, especialmente considerando que a Pantera Negra realmente tinha mais em comum com seus companheiros monarcas Namor e Doutor Destino do que qualquer herói comum.

Foi esse arco que ofereceu uma nova perspectiva aos leitores sobre as motivações do personagem. E, aqui, o roteirista moldou o núcleo do que T’Challa representa, tanto dentro quanto fora dos quadrinhos, como um símbolo de luta e resistência. Se você associa Chris Claremont com os X-Men e Walt Simonson com o Thor, então também deve relacionar Priest ao Pantera Negra.

A história acontece nas edições Black Panther Vol. 2 #1-17.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: