Mercado fechará em 3 h 21 min
  • BOVESPA

    111.081,84
    +2.188,52 (+2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.700,94
    +922,07 (+2,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,74
    -0,60 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.809,50
    +28,60 (+1,61%)
     
  • BTC-USD

    19.306,44
    -93,33 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,39
    -0,47 (-0,12%)
     
  • S&P500

    3.663,27
    +41,64 (+1,15%)
     
  • DOW JONES

    29.990,33
    +351,69 (+1,19%)
     
  • FTSE

    6.381,96
    +115,77 (+1,85%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.405,00
    +128,00 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3132
    -0,0480 (-0,75%)
     

10 filmes importantes para refletir sobre racismo e Consciência Negra

Natalie Rosa
·6 minuto de leitura

No dia 20 de novembro, no Brasil, comemora-se o Dia da Consciência Negra. A data foi criada como uma forma de homenagear Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares, que faleceu neste mesmo dia, em 1695.

Zumbi dos Palmares nasceu no período colonial de nosso país, em Pernambuco, sendo uma criança livre. Porém, acabou sendo escravizado com apenas seis anos de idade, em uma época na qual era preciso lutar com mais força contra a escravidão e pela liberdade de exercer seus direitos como ser humano.

Graças a Zumbi, negros escravizados conseguiram formar uma resistência para recuperar sua liberdade e preservar a cultura africana no Brasil. Ele acabou sendo assassinado enquanto defendia seu povo e seus direitos. A escravidão só chegou ao fim cerca de 193 anos após a sua morte.

Conscientização

A data foi criada, inicialmente, para homenagear Zumbi dos Palmares, mas hoje também é uma forma de conscientização do impacto causado pelo racismo e o período da escravidão. O Dia da Consciência Negra também visa valorizar a cultura afro-brasileira na música, religião, política, gastronomia, entre outras áreas. Desde 2011, o que havia sido um projeto de lei desde 2003, se tornou uma data oficial no calendário brasileiro.

Para celebrar o Dia da Consciência Negra, o Canaltech foi atrás das melhores produções de Hollywood, brasileiras e estrangeiras, que servem como uma reflexão para o racismo, que existiu e ainda existe em todo o mundo. Diversos países seguem lutando com mais intensidade contra a discriminação, sendo de extrema importância relatar casos reais e também de ficção no entretenimento.

Os filmes selecionados são fáceis de encontrar em plataformas de streaming. Infelizmente, muitas obras importantes, principalmente brasileiras, acabaram ficando de fora pela falta de disponibilidade fácil. Confira a lista completa:

1. Faça a Coisa Certa (1989)

Em Faça a Coisa Certa, filme de Spike Lee, vemos a história de Salvatore "Sal" Fragione (Danny Aiello), um homem que é dono de uma pizzaria italiana no Brooklyn e que conta com os nomes de diversos artistas famosos. Porém, um dos moradores da região, Buggin'Out (Giancarlo Esposito), se revolta porque há somente nomes de artistas italianos e brancos nas paredes, afirmando que pela região habitar a comunidade negra em sua maioria, atores negros deveriam estar com seus nomes ali.

<em>Imagem: Divulgação/40 Acres & A Mule Filmworks</em>
Imagem: Divulgação/40 Acres & A Mule Filmworks

Você pode assistir ao filme Faça a Coisa Certa no Telecine Play, Looke, Google Play e iTunes.

2. Infiltrado na Klan (2018)

Em Infiltrado na Klan, filme também do gênio Spike Lee, conhecemos a história de Ron Stallworth (John David Washington), um policial que, em 1978, conseguiu se infiltrar em um grupo da comunidade racista Ku Klux Klan, mesmo sendo negro. Com bastante destreza, ele se comunica com a comunidade por meio de cartas e telefonemas, enviando outro policial branco em seu lugar quando precisa aparecer fisicamente em encontros.

<em>Imagem: Divulgação/Netflix</em>
Imagem: Divulgação/Netflix

Infiltrado na Klan pode ser assistido no Amazon Prime Video, Google Play, iTunes e Looke.

3. Fruitvale Station (2013)

Fruitvale Station é um filme que mostra a luta de Oscar Grant, interpretado por Michael B. Jordan, um jovem de 22 anos que perde o emprego e esconde a informação da mãe de sua filha, Sophina (Melonie Diaz), por achar que é capaz de recuperar o trabalho. No entanto, a situação se complica quando o personagem acaba sendo vítima do racismo escancarado em uma noite que deveria ser de comemorações.

<em>Imagem: Divulgação/The Weinstein Company</em>
Imagem: Divulgação/The Weinstein Company

Fruitvale Station está disponível no Amazon Prime Video, Globo Play e Looke.

4. Corra! (2018)

Em 2018, Jordan Peele lançou o filme Corra!, que conta uma história de racismo em formato de terror — mesmo que o preconceito já não fosse aterrorizante por si só. Na trama, o personagem Chris (Daniel Kaluuya) namora com Rose (Allison Williams), e depois de um bom tempo de namoro eles viajam para conhecer a família dela. Porém, ao chegar lá, uma zona rural dos Estados Unidos, ele descobre que tudo não passava de uma armadilha racista, bizarra, perturbadora e claustrofóbica.

<em>Imagem: Divulgação/Universal Pictures</em>
Imagem: Divulgação/Universal Pictures

Corra! pode ser assistido no Telecine Play, Looke, iTunes e Google Play.

5. 12 Anos de Escravidão (2013)

Vencedor do Oscar de Melhor Filme, 12 anos de Escravidão tem como cenário a vida de Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), um jovem livre e que vive com tranquilidade junto aos filhos e sua esposa no ano de 1841. A vida do rapaz muda completamente quando ele é sequestrado e vendido como um escravo, vendo a sua vida mudar por completo sendo uma vítima do sistema extremamente racista da época e que deixou sequelas na sociedade até hoje.

<em>Imagem: Divulgação/Buena Vista International</em>
Imagem: Divulgação/Buena Vista International

12 Anos de Escravidão pode ser assistido via compra ou aluguel no Google Play, Microsoft Store e iTunes.

6. Malcom X (1992)

Em Malcom X, Denzel Washington conta a história do líder que teve o pai vítima do grupo racista Klu Klux Klan, e que também precisou enfrentar a internação da mãe por insanidade. O filme mostra como foi a sua conversão para o islamismo, enquanto esteve preso, o que mudou a sua vida completamente, e qual é o seu papel na luta contra o preconceito racial.

<em>Imagem: Divulgação/Largo International N.V.</em>
Imagem: Divulgação/Largo International N.V.

Você pode assistir a Malcom X no Amazon Prime Video.

7. Cidade de Deus (2002)

Sucesso no início dos anos 2000, Cidade de Deus, dirigido por Fernando Meirelles e Kátia Lund, mostra a vida nas favelas do Rio de Janeiro na década de 1970, com foco na vida do fotógrafo Buscapé (Alexandre Rodrigues) e Zé Pequeno (Leandro Firmino), um traficante da região. Em sua arte, ele mostra os perigos do cotidiano da comunidade.

<em>Imagem: Divulgação/O2 Filmes</em>
Imagem: Divulgação/O2 Filmes

Cidade de Deus está disponível no Amazon Prime Video.

8. Selma - Uma Luta Pela Igualdade (2014)

O filme Selma: Uma Luta pela Igualdade retrata a história de Martin Luther King Jr., interpretado por David Oyelowo, na conquista do direito ao voto da comunidade negra nos Estados Unidos. O movimento resultou em uma marcha épica do político até o Alabama, convencendo o presidente Lyndon Johnson a implementar a Lei dos Direitos de Voto.

<em>Imagem: Divulgação/Paramount Pictures</em>
Imagem: Divulgação/Paramount Pictures

O filme está disponível no iTunes, Google Play e Microsoft Store.

9. Django Livre (2012)

Em Django Livre, o diretor Quentin Tarantino mostra a história de Django (Jamie Foxx), um ex-escravo que se une a Schultz (Christoph Waltz), um caçador de recompensas, para capturar os irmãos Brittle. Depois de cumprir a missão, eles seguem juntos no trajeto em novas tarefas, como resgatar a esposa de Django, Broomhilda (Kerry Washington), que também foi sequestrada para a escravidão.

<em>Imagem: Divulgação/The Weinstein Company</em>
Imagem: Divulgação/The Weinstein Company

Você pode assistir ao filme Django Livre na Netflix, Now, Google Play, iTunes, Looke e Microsoft Store.

10. Mississippi em Chamas (1988)

No filme Mississippi em Chamas, de 1988, o diretor Alan Parker mostra o desaparecimento de um grupo de ativistas dos direitos civis e a contratação da dupla Alan Ward (Willem Dafoe) e Rupert Anderson (Gene Hackman), do FBI, para conduzir a investigação. No entanto, as autoridades locais decidem não se envolver por motivações claramente racistas.

<em>Imagem: Divulgação/Orion Pictures</em>
Imagem: Divulgação/Orion Pictures

O filme Mississipi em Chamas está disponível no iTunes.

É importante ressaltar que o racismo é crime com base na Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989.

"Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. A lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais".

Denúncias da prática de racismo na internet podem ser feitas em delegacias especializadas, no portal Safernet ou pelo Disque 100.

Com informações: Calendarr

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: