Mercado abrirá em 2 h 55 min

10 documentários sobre crimes obscuros e impactantes

Rafael Arbulu

Os documentários criminais ganharam novo fôlego após produções criativas das plataformas de streaming abordarem o gênero de forma inteligente e cativante. Hoje, A Máfia dos Tigres é uma das produções mais frescas na cabeça dos espectadores, mas muitos vieram antes dele e prometem manter você vidrado enquanto tenta desvendar — ou, em alguns casos, entender — as minuciosas tramas de casos reais que se desenrolam à sua frente, na telinha.

Para facilitar a sua vida, o Canaltech elaborou esta lista com 10 documentários sobre crimes obscuros e impactantes.

10. Don't F**k With Cats

O primeiro item de nossa lista é um caso famoso, que ganhou grande repercussão por causa da internet. Don’t F**k With Cats é uma minissérie documental centrada na história do canadense Luka Magnotta, um assassino condenado por matar e desmembrar o estudante chinês Jun Lin em 2012 e enviar partes da vítima pelo correio a diversas escolas primárias do país. Os episódios mostram como a internet estava atrás da exposição de Magnotta bem antes das autoridades começarem a agir, já que grupos de proteção aos animais o procuravam e o condenavam por vídeos que o mostravam matando gatos.

Don’t F**k With Cats tem três episódios e pode ser assistido na Netflix.

9. Eu te Amo, Agora Morra

Um caso pesado cujo documentário explora a fundo sintomas psicológicos de culpa, a atribuição de responsabilidade e como isso é usado em juízo, além de figurar seu sustento em um dos crimes mais difíceis de se tomar um partido até hoje: Eu Te Amo, Agora Morra é centrado na morte de Conrad Roy e a subsequente condenação de sua namorada, Michelle Carter.

A situação toda é um emaranhado bem complicado de emoções conflitantes: Conrad cometeu suicídio, mas as autoridades descobriram mensagens de texto em seu celular, enviadas por Michelle, que o encorajava a por fim à própria vida. Os dois tinham problemas documentados de doença mental, e o documentário traz à mesa discussões tematizadas em fatores como depressão, influência da sociedade e o limite da responsabilidade criminal, além de expandir detalhes do crime e do julgamento.

Eu Te Amo, Agora Morra é um documentário de duas partes, cada uma com pouco mais de uma hora de duração, que pode ser assistido no HBO GO.

8. O Caso Gabriel Fernandez

Um caso trágico de morte em família, O Caso Gabriel Fernandez mostra o que há de pior no ser humano quando o preconceito contra a sexualidade toma proporções incontroláveis. O menino que dá título ao documentário foi a vítima, assassinada aos 8 anos pela própria mãe, que suspeitava que a criança fosse gay.

O documentário tem seis episódios que abordam todas as facetas do caso, desde a infância reprimida do menino Gabriel, que sofria abusos domésticos constantes em sessões de tortura executadas não só pela mãe, mas também pelo seu namorado, até aspectos decisivos do julgamento que levou Pearl Fernandez à prisão perpétua sem condicional, enquanto o namorado Isauro Aguirre foi sentenciado à morte.

O Caso Gabriel Fernandez está disponível para todos os assinantes da Netflix.

7. McMillion$

Uma das ações de marketing mais famosas da história do McDonald's, pelos piores motivos possíveis: a série documental McMillion$ expõe de forma didática o funcionamento de uma rede que desviou aproximadamente US$ 24 milhões (pouco mais de R$ 128 milhões) de uma oferta da maior rede de fast food do mundo.

Resumidamente: o McDonald's passou a oferecer uma versão própria do jogo Monopoly. As ofertas dos lanches conferiam "peças" para preencher o tabuleiro, que continha prêmios que iam desde porções extras de batatas fritas até US$ 1 milhão em dinheiro. A promoção durou quase duas décadas, começando em meados da década de 1980 até bem adentro nos anos 2000. Uma pessoa roubava peças vencedoras, distribuindo-as para familiares e amigos.

A pessoa, intitulada "Tio Jerry" (nome real: Jerome P. Jacobson) graças à uma denúncia anônima, acabou capturada, julgada e presa. O réu era chefe de segurança de uma empresa terceirizada contratada pelo McDonald's para supervisionar a distribuição do jogo.

Você pode assistir a McMillion$ no HBO Go.

6. Chefes do Tráfico

Este documentário em formato episódico é muito mais um alívio narrativo do que propriamente uma investigação de um caso específico: cada episódio de Chefes do Tráfico trata de traçar um panorama detalhado sobre alguma figura proeminente do tráfico internacional de drogas e suas respectivas organizações. A ideia é levar conhecimento ao público por meio de entrevistas feitas com pessoas diretamente envolvidas com organizações como o Cartel de Sinaloa (antigamente liderada por Joaquin “El Chapo” Guzman) — sejam essas pessoas autoridades que os combatiam, sobreviventes e parentes de vítimas, ou ex-membros.

Chefes do Tráfico tem duas temporadas disponíveis para os assinantes da Netflix.

5. Time: The Kalief Browder Story

The Kalief Browder Story é um documentário que conta a história do jovem Kalief Browder, preso aos 16 anos por supostamente ter roubado uma mochila. O problema: ele era inocente. A vítima que identificou Browder como um dos “dois homens afroamericanos que roubaram a mochila”, mas as autoridades não encontraram nada com ele.

Browder acabou preso em 2010, indo a julgamento e condenado por diversas acusações injustas, e como sua família, pobre, não obteve o dinheiro para pagar a fiança, ele acabou sendo remanejado para a prisão de Rikers, que tem um notório histórico de violência e disputa de gangues. Na prisão, ele era constantemente abusado física e sexualmente, às vezes por guardas, outras vezes por outros presos. Somente em 2013, após dois anos indo e vindo da solitária, é que ele foi solto por falta de evidências conclusivas. Isso não aliviou o já fragmentado psicológico de Browder, que se matou em 2015.

Time: The Kalie Browder Story pode ser assistido pelos assinantes da Netflix.

4. Gênio Diabólico

Referido como "Caso da bomba no Colarinho" em alguns círculos, Gênio Diabólico é uma série documental em quatro episódios que foca no caso da morte de Brian Wells, um entregador de pizza que morreu após uma espécie de "caça ao tesouro" que o levou a diversos pontos da cidade de Erie, Pensilvânia, finalizando o caso com um assalto a banco em 2003. O caso é enveredado em mistério e histórias conflitantes. Falando de forma bruta, Wells morreu cercado pela polícia durante o assalto, após um dispositivo instalado em seu colarinho explodir.

Os conflitos partem do princípio de que, pelas conclusões das autoridades municipais e federais, Wells era um coparticipante do assalto, que teria sido informado pelos outros membros do grupo que a bomba era falsa e que ninguém teria a intenção de que ele morresse. A família do morto contesta isso, dizendo que a bomba a todo tempo era real e Wells era objeto de ameaça, tomando parte do assalto de forma coercitiva. A qual conclusão você chegará, só mesmo assistindo para saber.

Gênio Diabólico está disponível na Netflix.

3. Audrie & Daisy

Um caso assustador de estupro de menores de idade, Audrie & Daisy narra a história das meninas-títulos, ambas vítimas de estupro e que tiveram suas vidas expostas e suas famílias, perseguidas online, em ataques de ciberbullying. Ao contrário de outros docs desta lista, não há um elemento de suspense aqui, já que a produção se concentra no potencial maléfico que as redes sociais trazem em relação a vítimas de abuso.

Os diretores da produção, o casal Bonnie Cohen e Jon Shenk (com filhas adolescentes deles próprios), detalham profundamente todo o caso, desde o estupro sofrido pelas meninas até o abuso sofrido por elas e suas famílias nas redes sociais. Até mesmo o xerife do caso, Darren White, é exibido proferindo a agora icônica frase "Meninas têm tanta culpa [quanto os meninos] em casos como os de Daisy", em uma exemplar situação de culpabilização da vítima.

Audrie & Daisy está disponível na Netflix.

2. O Caso do Policial Canibal

Gilberto Valle era um policial da cidade de Nova York e tornou-se conhecido como “policial canibal” após sua então esposa descobrir postagens suas em chats secretos da internet, onde ele descrevia desejos e intenções de sequestrar, torturar, estuprar e canibalizar — sim, “comer” — mulheres.

Denunciado pela ex e indo a julgamento em 2013, Valle acabou condenado por conspiração para cometer sequestro, com seus logs de salas de chat servindo como evidência de que, caso fosse solto, ele agiria em seus desejos e colocaria a vida de pessoas em risco.

Vale citar: o documentário em si não é uma análise de um crime no mesmo sentido que os anteriores — Valle não conseguiu sequestrar, menos ainda comer, ninguém. Mas a sua posterior soltura, 22 meses depois da prisão, colocou a internet em chamas, efetivamente inaugurando debates sobre se a “intenção” de um crime poderia ser tratada como um crime cometido. Valle, por sua vez, segue solto até hoje, mas uma apelação contra a sua soltura está em análise pela Suprema Corte dos EUA. Atualmente, Valle participa de convenções de discussões de crimes, alegando estar envergonhado por tudo o que fez.

O Caso do Policial Canibal pode ser assistido no HBO GO.

1. Cuidado com o Slenderman

Slenderman é uma das lendas urbanas modernas da era da internet. Basicamente, um personagem imaginário criado em diversos fóruns do gênero creepypasta, a figura de um homem muito alto, sem rosto e com braços excessivamente longos, trajando terno e gravata, que tortura suas vítimas por anos e anos, levando-as à insanidade. Os motivos por trás dessa mitologia moderna ainda são debatidos, mas, de uma forma geral, o personagem fictício é um ser maligno, pelo consenso.

Este documentário, infelizmente, não tem nada fictício: duas adolescentes — Anissa Weier e Morgan Geyser — acreditaram no mito e estavam sob a impressão de que o monstro machucaria suas famílias caso elas não atendessem a uma ordem: matar a amiga de escola Payton Leutner. Elas cumpriram o “pedido” até certo ponto: esfaquearam-na 19 vezes, mas a vítima sobreviveu, arrastando-se até uma estrada onde foi encontrada e levada ao hospital. O crime em si foi bem simples de ser resolvido: as criminosas foram encaminhadas a instituições psiquiátricas por tempo indeterminado, enquanto Payton recuperou-se por completo e, em uma entrevista dada em 2019, disse que agradeceria às criminosas caso as visse de novo, pois foi graças ao ataque sofrido que ela desenvolveu interesse pela Faculdade de Medicina.

O documentário em si explora elementos do caso, desde a investigação até o julgamento, para posicionar um debate sobre como o isolamento e a natureza conflituosa de relatos da internet influenciam as pessoas, levando-as a atos impensáveis. O caso acabou servindo de inspiração para episódios em séries consagradas, como Law & Order SVU e Criminal Minds.

Cuidado com o Slenderman está no catálogo do HBO GO.

E você? O que tem assistido de bom nos documentários? Quer recomendar algo para o Canaltech? Conte-nos a sua sugestão logo abaixo e, quem sabe se fizermos uma próxima lista, a gente não relacione o que você nos mandou.

Fonte: Canaltech