Mercado abrirá em 2 h 35 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,31
    +0,43 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.866,80
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    39.961,28
    +738,15 (+1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,37
    +32,53 (+3,36%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.161,62
    +14,94 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.131,75
    +7,00 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1328
    +0,0013 (+0,02%)
     

1º Festival de Cinema Brasileiro Fantástico reúne 41 filmes

·2 minuto de leitura

NITERÓI — Curadores do 1º Festival de Cinema Brasileiro Fantástico, que acontece até terça-feira, em formato on-line, os cineastas Otávio Lima, Fabrício Basílio e Pedro Alves foram responsáveis por selecionar 23 produções, entre 449 inscrições de curtas, médias e longas-metragens enviados de todo o país, além de outros 18 filmes convidados.

A paixão do trio pelo cinema fantástico começou em 2014, quando estudavam na Faculdade de Cinema da UFF e criaram a mostra de terror nacional “Desenterrados”.

Mas engana-se quem associa cinema fantástico apenas ao terror, garantem os curadores. Tem horror, ficção científica e fantasia. O real maravilhoso, o estranho, o absurdo e o afrofuturismo podem ser vistos nas 41 produções do festival.

Morador de Niterói, Lima destaca que o festival é uma volta às origens e relembra a mostra realizada no Instituto de Artes, no Cine Arte UFF e na Sala Leila Diniz.

— Depois de “Desenterrados”, eu e o Fabrício criamos o Cineclube Rã Vermelha, que aconteceu de 2014 a 2019 no Cine Arte UFF. Em 2018, fomos contemplados no primeiro edital de fomento ao audiovisual lançado pela prefeitura de Niterói, mas a pandemia parou tudo ano passado. Tentamos editais para fazer o cineclube on-line, porém ele não se encaixou e ficamos meio à deriva. Quando veio a Lei Aldir Blanc, o Fabrício teve a ideia do festival. Fomos contemplados em janeiro e, em fevereiro, chamamos o Pedro para essa missão que foi muito difícil, tanto pela quantidade de inscritos quanto pela boa qualidade dos trabalhos — diz.

Na terça, às 17h, Basílio dará uma masterclass com o tema “Entre horrores e maravilhas: duas tendências do cinema brasileiro fantástico contemporâneo”.

Para assistir aos filmes e à aula é preciso acessar a plataforma Darkflix/Wurlak através do site www.festivalfantastico.com. Toda a programação é gratuita.