Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.640,05
    +2.259,88 (+4,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

1% da população ganha 35 vezes mais que os 50% restantes

·1 min de leitura
Notas de dinheiro e moedas
Em 2019, um ano antes da pandemia no Brasil, os ricos ganhavam 40 vezes mais que os pobres

(Getty Images)

  • 1% da população com maior renda ganha 34,9 vezes mais que os 50% com rendimentos menores

  • Dados foram divulgados pelo IBGE, referentes ao ano de 2020

  • Apesar da diferença, desigualdade econômica diminuiu 

Cerca de 1% da população brasileira com maior renda mensal ganhava, em 2020, 34,9 vezes mais que metade dos brasileiros com rendimentos menores. É o que mostram os dados divulgados nesta sexta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também:

Enquanto no ano passado a renda média da parcela mais pobre da população era de R$ 453, os mais ricos ganhavam R$ 15.816. Apesar das diferenças significativas, houve uma diminuição na concentração de renda, já que em 2019, um ano antes da pandemia no Brasil, os ricos ganhavam 40 vezes mais que os pobres. Essa é a maior diferença da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Devido a isso, o Índice de Gini, que mede a desigualdade econômica, caiu de 0,544 em 2019 para 0,524 em 2020 e também quebrou um recorde, já que foi a maior queda registrada desde 2012.

Alessandra Scalioni, analista da pesquisa, explica os motivos que contribuíram para a redução da concentração de renda no país. "Houve uma piora do mercado de trabalho. Muita gente perdeu ocupação, mas o auxílio emergencial segurou quem tinha rendas domiciliares menores. Isso tornou a distribuição de renda do país menos desigual".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos