Mercado abrirá em 1 h 10 min
  • BOVESPA

    115.062,54
    -1.118,01 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,38
    -0,23 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.775,60
    -19,20 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    47.939,92
    +447,65 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.234,60
    +37,39 (+3,12%)
     
  • S&P500

    4.480,70
    +37,65 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.814,39
    +236,82 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.045,36
    +28,87 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.462,75
    -41,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1446
    -0,0514 (-0,83%)
     

1 bilhão de pessoas já estão conectadas à internet na China

·3 minuto de leitura

A pandemia do novo coronavirus (SARS-CoV-19) estimulou globalmente a adoção da internet por pessoas que nunca antes haviam se conectado à rede. Segundo o China Internet Network Information Center (CNNIC), isso fez com que a população online do país ultrapassasse a barreira de 1 bilhão de pessoas conectadas — em dezembro de 2020, eram de 989 milhões o número de chineses que possuíam acesso à rede.

Segundo dados da CNNIC, entidade ligada ao governo local, atualmente 71,6% do país já está ligado à internet de alguma forma. Do 1,001 bilhão de chineses que estão online, a vasta maioria (1,007 bilhão) têm nos dispositivos móveis como sua forma de acesso à rede mundial de computadores.

O crescimento da internet chinesa vem acompanhado de perto pela venda de smartphones no país: na primeira metade foram 174 milhões de unidades, sendo 128 milhões delas formadas por aparelhos que já possuem conectividade 5G. Dados do TechRadar mostram que os números mais do que dobraram o desempenho registrado no mesmo período de 2020. Confira outros detalhes divulgados pela CNNIC:

  • 983 milhões de chineses usam mensageiros instantâneos;

  • 888 milhões assistem vídeos curtos;

  • 812 milhões fazem compras online;

  • 469 milhões pedem comida pela internet;

  • 91% dos usuários possuem velocidades acima dos 100 megabits por segundo;

  • 297 milhões de conexões são feitas em áreas rurais do país;

  • 346 milhões de chineses trabalham em regimes de Home Office.

Um quesito que sofreu uma redução no estudo são as horas médias semanais que a população local dedica ao acesso à internet: 26,9 horas, contra as 30 horas registradas em 2020. Segundo o The Register, esse número está diretamente associado aos lockdowns que o país registrou na primeira metade do ano.

A cidade de Xangai. Imagem: Divulgação/Wei Zhu/Pixabay
A cidade de Xangai. Imagem: Divulgação/Wei Zhu/Pixabay

No entanto, a redução no tempo de uso também pode estar relacionada a uma ação direta do governo chinês, especialmente no que diz respeito à maneira como jovens usam a rede. Nesta segunda-feira (30), o país determinou que menores de 18 anos só podem jogar entre as 20 e 21 horas de sextas-feiras, fins de semana e feriados — e muitos dos games mais populares no país possuem componentes online.

Também houve diminuição no número de usuários que usam a internet como ferramenta de educação (343 milhões, redução de 81,25%) e para fazer consultas online (215 milhões, com redução de 77%) em relação a dezembro de 2020. Isso está diretamente ligado ao controle da pandemia do Coronavírus e à retomada das atividades presenciais em locais considerados seguros.

Governo local pressiona setor de tecnologia

Ao mesmo tempo em que cresce o número de usuários da internet na China, o governo local impõe medidas que restringem a forma como empresas de tecnologia atuam no país. Em setembro de 2020, as autoridades chinesas aprovaram uma lei que aumenta a fiscalização sobre o uso de dados digitais, seguida por uma lei adicional de privacidade online aprovada em novembro.

A China também começou a exercer mais pressão sobre empresas com ações nos EUA para que elas cedam o controle dos dados coletados de cidadãos locais e evitem que eles sejam armazenados fora de seu território. Além disso, o país também elencou recentemente 30 medidas que impõe restrições sobre a forma como algoritmos funcionam na indicação de conteúdos e monitoramento de atividades.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos