Mercado fechará em 3 h 57 min
  • BOVESPA

    108.403,34
    +26,99 (+0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.251,34
    +245,23 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,52
    +3,02 (+3,85%)
     
  • OURO

    1.667,40
    +31,20 (+1,91%)
     
  • BTC-USD

    19.470,50
    -514,63 (-2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,11
    +15,33 (+3,58%)
     
  • S&P500

    3.698,09
    +50,80 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    29.504,63
    +369,64 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.454,25
    +120,50 (+1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1939
    +0,0340 (+0,66%)
     

1 a cada 4 brasileiros não consegue quitar todas as contas mensais

Cidadãos estão com dificuldade de pagar todas as contas em dia (Getty Image)
Cidadãos estão com dificuldade de pagar todas as contas em dia (Getty Image)
  • Levantamento mostra a dificuldade dos brasileiros em pagar as contas do mês

  • Seis a cada dez pessoas dizem ter reduzido as despesas com lazer

  • Mesmo com os cortes nos gastos, orçamento ainda não é suficiente para quitar débitos

Com inflação alta e taxa de juros cada vez mais pesada, os brasileiros têm encontrado dificuldade em manter as contas em dia. Uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (8) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que um a cada quatro brasileiros não consegue pagar todos os boletos que chegam no mês.

O levantamento mostra ainda que 44% das pessoas até conseguem quitar todos os débitos. No entanto, após realizar todos os pagamentos, não sobra dinheiro para mais nada. Esses são os cidadãos que estão entre os 7 a cada 10 brasileiros que não conseguem guardar dinheiro.

Apesar de seis a cada dez brasileiros dizem ter reduzido as despesas com lazer, ainda não não sobra dinheiro. E 58% deixaram de comprar itens de uso pessoal, como sapato, roupas e acessórios.

Outras despesas importantes, como as de saúde, também foram prejudicadas. No levantamento, 25% disseram ter reduzido ou deixado de comprar remédios, enquanto 19% deixaram de pagar o plano de saúde.

Para tentar equilibrar as contas, 16% dos entrevistados chegaram a vender bens e 14% deixaram de pagar ou atrasaram o pagamento do aluguel ou da prestação do lugar em que vive. Para coletar os dados, foram entrevistados 2.008 cidadãos em todo o país entre os dias 23 e 26 de julho.

Ainda há uma esperança de recuperação financeira. Das pessoas que foram ouvidas, 56% acreditam que, até dezembro, estarão com uma situação econômica mais confortável.