Mercado fechado
  • BOVESPA

    99.621,58
    -969,83 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,51
    -0,27 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.819,70
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    20.085,34
    -222,01 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    432,32
    -7,34 (-1,67%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.312,32
    -11,09 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.996,89
    -422,08 (-1,88%)
     
  • NIKKEI

    26.690,61
    -113,99 (-0,43%)
     
  • NASDAQ

    11.681,00
    -10,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4302
    +0,0196 (+0,36%)
     

Ômicron tem menos chance de causar covid longa que Delta

A variante Ômicron tem menos chance de causar covid longa do que a Delta, conforme aponta um estudo publicado na revista científica The Lancet. Na prática, ss pessoas infectadas com a variante têm menos da metade da probabilidade.

Para chegar a essa descoberta, a equipe de pesquisadores usou dados colhidos através do aplicativo ZOE COVID, que guarda informações sobre a saúde da população do Reino Unido, além de testes positivos para a covid-19.

Ao todo, cerca de 56 mil indivíduos integraram a análise. Destes, 41 mil testaram positivo para a doença no ano passado, quando a Delta era a variante dominante. Dentre os que foram infectados no período dominado pela Ômicron, cerca de 4,5% tiveram sintomas que duraram mais de quatro semanas, em comparação com 10,8% dos participantes com a Delta.

No entanto, é válido notar que o estudo ZOE incluiu principalmente pessoas que pegaram a subvariante ômícron BA.1, pois analisou apenas pessoas que haviam sido infectadas até 10 de fevereiro, antes do surgimento de outras subvariantes da Ômícron.

De qualquer forma, os autores comentam que a covid-19 grave tem maior probabilidade de levar a sintomas duradouros e a variante Ômicron vem causando doenças mais leves do que as variantes de antes, o que justifica o resultado.

Ômicron tem menos chance de causar covid longa que a Delta (Imagem: IciakPhotos/envato)
Ômicron tem menos chance de causar covid longa que a Delta (Imagem: IciakPhotos/envato)

Covid longa

A OMS define a covid longa como "condição pós-covid ocorre em indivíduos com histórico de infecção por SARS CoV-2 provável ou confirmada, geralmente 3 meses após o início da covid-19 sintomática, e que duram pelo menos 2 meses."

Anteriormente, a Fiocruz acompanhou 324 pacientes que desenvolveram a covid longa, e chegou a 23 sintomas que acompanham a condição. Dentre eles, fadiga, tosse, dificuldade de respirar, perda do olfato ou paladar, dor de cabeça, olhos vermelhos, insônia e até ansiedade.

A boa notícia é que a vacina reduz chance de covid longa mesmo se aplicada após a infecção, conforme apontou uma equipe de cientistas no último mês de maio. Para se chegar a essa afirmação, mais de 28 mil indivíduos foram analisados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos