Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.398,91
    -3.447,38 (-8,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Ômicron pode infectar metade da Europa nas próxima semanas, diz OMS

·2 min de leitura

Metade da Europa pode ser contaminada pela variante Ômicron (B.1.1.529) do coronavírus SARS-CoV-2 dentro de seis a oito semanas, alerta previsão da Organização Mundial da Saúde (OMS). Na segunda-feira (10), foram registrados mais de 3 milhões de novos casos globais da covid-19 — este é o maior número de novas infecções já identificadas, em 24 horas, desde o começo da pandemia.

"Nesse ritmo [de crescimento da Ômicron], o Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde prevê que mais de 50% da população será infectada pela nova cepa nas próximas seis a oito semanas", afirmou Hans Kluge, o diretor da OMS para o continente europeu, durante coletiva de imprensa.

Metade de Europa pode ser infectada pela variante Ômicron, segundo estimativa da OMS (Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato)
Metade de Europa pode ser infectada pela variante Ômicron, segundo estimativa da OMS (Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato)

Segundo Kluge, a projeção sobre o avanço da covid-19 na Europa foi baseada nos sete milhões de novos casos relatados em todo o continente na primeira semana de 2022. Nas últimas semanas, o número de diagnósticos mais que dobrou.

“Hoje, a variante Ômicron representa uma nova onda de oeste para leste, varrendo a região na crista da onda da Delta que todos os países estavam gerenciando até o final de 2021”, pontuou Kluge sobre os riscos do cenário epidemiológico. Agora, "a forma como cada país responde deve ser informada pela sua situação epidemiológica, recursos disponíveis, status de vacinação e contexto socioeconômico", orienta.

Ômicron na Europa

Até o momento, os estudos científicos sugerem que a variante Ômicron tem uma probabilidade menor de causar formas graves da covid-19, principalmente em pessoas que estão completamente imunizadas — 2 doses ou imunizante de dose única — e que receberam a dose de reforço.

Por outro lado, a variante é considerada a mais transmissível já conhecida desde o início da pandemia. Por ser altamente contagiosa, a Ômicron pode elevar, de forma significativa, os novos casos da covid-19 e, consequentemente, pode sobrecarregar os sistemas de saúde da Europa e do mundo. Mesmo mais leve, alguns pacientes precisarão de internações e de UTIs.

Na França, o ministro da Saúde, Olivier Veran, prevê que janeiro será um mês difícil para os hospitais. Isso porque pacientes da Ômicron já ocupam leitos "convencionais" em hospitais e a demanda ainda deve aumentar, caso a previsão da OMS se concretize.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos