Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.533,85
    +571,46 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Ômicron perturba novamente o mundo dos cruzeiros

·2 min de leitura
Navio de cruzeiro MSC Grandiosa no porto de Barcelona em junho de 2021 (AFP/Josep LAGO) (Josep LAGO)

Embarcações que precisam mudar de destino, passageiros em isolamento. A variante ômicron castiga novamente o setor dos cruzeiros, apesar de seus responsáveis destacarem a baixa porcentagem de viajantes afetados, em sua maioria assintomáticos.

As "bolhas sanitárias" (vacinação obrigatória, testes múltiplos) impostas aos navios quando as viagens foram retomadas na primavera boreal de 2021 não foram suficientes para conter a pandemia.

Em Hong Kong, o cruzeiro "Spectrum of the Seas" da Real Carribean, foi obrigado na quarta-feira a retornar ao porto mais cedo, ao detectar nove casos de covid entre seus 3.700 passageiros.

Na Itália, ao menos 45 viajantes dos 4.813 que navegavam no "Grandiosa", da companhia MSC, foram colocados em quarentena no porto de Gênova; na Espanha, 3.000 passageiros do "AIDAnova" desembarcaram em Lisboa em vez de Canárias depois da detecção de 68 casos positivos.

No Brasil, as próprias empresas de cruzeiros decidiram suspender as travessias até 21 de janeiro, devido a "divergências" com as autoridades de saúde sobre a aplicação dos protocolos anticovid definidos há dois meses.

Nos Estados Unidos, as autoridades sanitárias (CDC) aumentaram o limite de alerta e recomendam evitar os cruzeiros, inclusive para pessoas vacinadas.

"Os casos detectados nos cruzeiros representam apenas uma pequena minoria da população total a bordo e a maioria desses casos é assintomática ou de natureza benigna, representando uma carga mínima ou nula para os serviços médicos a bordo ou em terra", afirmou em nota a associação internacional de cruzeiros, que se declarou "perplexa" com as recomendações da CDE.

"O que aprendemos com essa pandemia é que nada é 100% à prova do vírus, nada", afirmou à AFP um executivo de uma grande companhia mundial que deseja permanecer no anonimato.

A ômicron trouxe outro duro golpe para um mercado que, em 2019, representava 49 bilhões de dólares e que viu sua atividade completamente paralisada durante um ano a partir de março de 2020, segundo o estudo de Roland Berger.

bur-lg-dho-kap/mhc/dlm/mab/js/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos