Mercado fechará em 3 h 29 min
  • BOVESPA

    111.922,60
    +1.718,83 (+1,56%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.361,05
    +256,66 (+0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,18
    +1,58 (+1,85%)
     
  • OURO

    1.837,30
    -15,20 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    37.997,98
    +1.440,86 (+3,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    875,17
    +19,36 (+2,26%)
     
  • S&P500

    4.401,15
    +44,70 (+1,03%)
     
  • DOW JONES

    34.462,81
    +165,08 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.493,03
    +121,57 (+1,65%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,29 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -120,01 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.434,50
    +293,75 (+2,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1335
    -0,0186 (-0,30%)
     

Ômicron no avião: quais são os riscos?

·2 min de leitura

A Ômicron chegou ao Brasil através de um brasileiro com passagem pelo continente africano que testou positivo para covid-19 ao desembarcar no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Tal como no início da pandemia, a população agora teme as viagens de avião. Mas e os riscos, são realmente altos?

De acordo com a Bloomberg, os passageiros de aeronaves têm duas ou até três vezes mais chances de pegar covid-19 durante um voo, desde o surgimento da variante. A informação vem do norte-americano David Powell, consultor médico da Associação Internacional de Transporte Aéreo.

O especialista reforça que a classe executiva pode ser mais segura do que a classe econômica, que costuma ser bem mais lotada. A recomendação é que os passageiros devem evitar o contato cara a cara e as superfícies que são tocadas com frequência. Além disso, as pessoas sentadas próximas umas das outras devem evitar tirar a máscara ao mesmo tempo durante as refeições. Para um voo de duas horas, é necessário manter a máscara o tempo inteiro.

Riscos de Ômicron no avião

Na visão do consultor médico da Associação Internacional de Transporte Aéreo, o risco que se tem com a Ômicron é duas vezes maior em comparação com a Delta. Mas um avião não é mais perigoso que outros lugares fechados, como um bar, por exemplo. A verdadeira questão está nos aeroportos, que são bem menos controlados.

Especialistas estimam riscos de ser infectado por Ômicron no avião (Imagem: Chalabala/Envato)
Especialistas estimam riscos de ser infectado por Ômicron no avião (Imagem: Chalabala/Envato)

"Em comparação com restaurantes, ônibus, metrôs, boates ou academias, a probabilidade de transmissão para outra pessoa é menor em um avião. A maioria dos casos documentados de propagação em voo são de março de 2020", pondera o consultor. Outra informação pertinente é que não houve muita transmissão de passageiro para tripulação. O caso inverso é ainda mais raro. Normalmente, a transmissão acontece de passageiro para passageiro ou tripulação para tripulação.

Em entrevista ao UOL, a médica infectologista e consultora em biossegurança da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) Sylvia Lemos Hinrichsen reforça o ponto de vista levantado pelo norte-americano: a variante Ômicron é considerada mais transmissível em qualquer local, e não apenas no avião, e o problema principal está no pré-voo: o aeroporto, o lanche, as filas do check-in e do embarque e o despacho da mala.

"No momento, a minha sugestão é que, se as viagens puderem ser evitadas ou adiadas, vale a pena. Principalmente para quem é de grupo de risco e que possa ter alguma comorbidade", diz a infectologista. Na ocasião, ainda afirma que a chance de contaminação em um cruzeiro é maior que em um avião, uma vez que a pessoa fica mais dias em ambientes fechados, geralmente com restrições para abrir janelas e arejar o local.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos