Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.790,10
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    37.701,91
    +459,56 (+1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Ômicron na Europa traz ameaça de escolas fechadas em janeiro

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Mais uma vez, pais enfrentam a temida perspectiva de escola fechadas na Europa com a onda de casos de Covid-19 entre jovens e avanço da variante ômicron.

Most Read from Bloomberg

Governos aceleram as vacinações para tentar evitar mais problemas econômicos em 2022. No entanto, com o aumento mais rápido de casos entre crianças, muitas escolas anteciparam o fim das aulas antes das festas natalinas. A dúvida dos pais é se vão reabrir em janeiro conforme programado.

Na Alemanha, onde escolas em alguns estados já fecharam, o número de casos entre menores de 15 anos é quase duas vezes mais alto do que a média nacional. O Reino Unido observa tendência semelhante, assim como outros países da União Europeia, como Áustria e Irlanda.

O fechamento de escolas seria uma dor de cabeça para trabalhadores e empresas, obrigando pais ao trabalho remoto, caso possam, ou a tirar férias.

A nova onda de Covid-19 no Reino Unido e na Europa já causa estragos. E levou a uma série de restrições, como mandatos de vacinas, lockdowns e novas regras de viagens.

Soma-se a isso as crescentes evidências de que a ômicron é a cepa do coronavírus mais contagiosa até o momento, com maior capacidade de resistir às vacinas. Com isso, governos da Europa temem que, mesmo com centenas de milhões de doses administradas contra a Covid, a situação pode piorar antes de melhorar.

Na França, a taxa de crianças com menos de 9 anos com teste positivo havia aumentado para 634 por 100 mil em 6 de dezembro em relação a menos 100 no início de novembro.

“As crianças são a maior fonte de contágio no momento”, disse Karine Lacombe, chefe do departamento de doenças infecciosas do Hospital Saint Antoine em Paris, em entrevista à rádio RTL na terça-feira.

Países agora buscam acelerar a vacinação. A Alemanha começou a administrar vacinas em crianças de 5 a 11 anos esta semana, embora recomende que apenas as vulneráveis e com problemas de saúde preexistentes sejam vacinadas. Grécia e Itália também autorizaram vacinas para essa faixa etária nos últimos dias, e a Bélgica deve seguir os mesmos passos.

No Reino Unido, as vacinas para crianças de 5 a 11 anos podem ser autorizadas antes do Natal. O país também mudou a diretriz sobre a segunda dose para jovens de 12 a 15 anos em face da ômicron. A Suíça planeja começar a vacinar menores de 12 anos em janeiro.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos