Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.839,80
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    41.287,74
    -534,95 (-1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,43
    -2,83 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    14.725,75
    -307,75 (-2,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1294
    -0,0380 (-0,62%)
     

Ômicron deve levar sistema de saúde do Brasil ao colapso, estima especialista

·2 min de leitura

Em 2020, o sistema de saúde do Brasil entrou em colapso: 90% das UTIs ficaram ocupadas na maior parte dos municípios, por conta da covid-19. Com a chegada da Ômicron, a estimativa é que o país seja submetido a um novo colapso dentro de uma semana.

"Pelo ritmo que estamos vendo, em uma semana os sistemas de saúde deverão entrar em colapso no Brasil. O número de infecções aumentará mais ainda nos ambulatórios e provavelmente faltarão mais profissionais da saúde no combate", pondera a cardiologista Ludhmila Hajjar, durante uma entrevista realizada ao jornal O Globo.

Hajjar relembra que estamos lidando com um vírus novo, altamente mutagênico, que pode acarretar mais surpresas no futuro. "O [vírus] da gripe, além de bastante conhecido, muda muito mais lentamente. Essa incerteza reforça ainda mais a importância da vacinação", afirma.

Sistema de saúde em colapso

Ômicron deve levar sistema de saúde do Brasil ao colapso (Imagem: Rawpixel)
Ômicron deve levar sistema de saúde do Brasil ao colapso (Imagem: Rawpixel)

No fim de dezembro, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), já tinha alertado que circulação simultânea das variantes Delta e Ômicron estava levando "os sistemas de saúde à beira do colapso".

Segundo Hajjar, as UTIs estão atualmente só com casos de covid entre os não vacinados, e os imunizados dificilmente passam do atendimento ambulatorial. Mas o colapso vai um pouco além da questão da ocupação das UTIs, e abrange também a falta de médicos disponíveis, por exemplo.

E com isso em mente, a especialista levanta olhares para a questão da equipe médica vulnerável diante das variantes em ascensão: "A maioria dos médicos e enfermeiros foi imunizada com duas doses da CoronaVac e reforço da Pfizer. A CoronaVac foi importantíssima no início, frente à inexistência de outras. Mas ela não protege como as outras em relação a novas variantes. Muitos de nós seremos infectados", lamenta a cardiologista.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos