Mercado abrirá em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.832,10
    -10,50 (-0,57%)
     
  • BTC-USD

    39.145,92
    -2.809,54 (-6,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    925,47
    -69,79 (-7,01%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.506,07
    -78,94 (-1,04%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.726,00
    -115,00 (-0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1058
    -0,0243 (-0,40%)
     

Ômicron é variante de preocupação, não de desespero, diz Queiroga

·2 min de leitura
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante entrevista coletiva em Brasília

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda-feira que a ômicron, nova cepa do coronavírus detectada inicialmente na África do Sul, é uma variante de preocupação, mas não de desespero.

Ele garantiu ainda que o Sistema Único de Saúde (SUS) está mais bem preparado para a eventualidade de uma terceira onda de infecções pela Covid-19.

"Três dias atrás foi anunciada uma nova variante que foi inicialmente descrita na África do Sul, a variante ômicron, e eu falei, é uma variante de preocupação, mas não é uma variante de desespero", disse Queiroga em Salvador, onde assinou contrato com a Pfizer para a compra de 100 milhões de doses da vacina contra Covid-19 do laboratório no ano que vem.

"Não é uma variante de desespero, porque nós temos autoridades sanitárias comprometidas com a assistência de qualidade à nossa população... Hoje, se houver uma eventual terceira onda, temos uma condição muito melhor de assistir a nossa população", acrescentou o ministro.

O acordo com a Pfizer pode ser expandido para mais 50 milhões de doses no ano que vem, levando o total a 150 milhões de doses do imunizante.

Também presente na cerimônia, a presidente da Pfizer no Brasil, Marta Diez, disse que o acordo pode incluir eventuais evoluções da vacina para fazer frente à variante ômicron.

Queiroga disse que o governo também usará na campanha de vacinação contra Covid no ano que vem as doses remanescentes deste ano, e 120 mihões de doses da AstraZeneca que chegarão ao país no ano que vem.

Sem citar diretamente a CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, envasada pelo Instituto Butantan e que deu largada à campanha de vacinação contra Covid-19 no Brasil em janeiro, Queiroga disse que o ministério irá comprar apenas vacinas que têm registro definitivo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A CoronaVac tem, por enquanto, apenas autorização para uso emergencial.

"Não há mais motivo para fazer aquisição de imunizante com registro emergencial", disse o ministro.

A CoronaVac tem sido alvo de atritos frequentes entre o governo federal e o governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado. O governador paulista, João Doria (PSDB), e o presidente Jair Bolsonaro são inimigos políticos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos