Mercado fechará em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    107.215,48
    -1.726,20 (-1,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.298,55
    -1.300,83 (-2,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,54
    -2,60 (-3,05%)
     
  • OURO

    1.833,80
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    34.344,26
    -969,39 (-2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    782,18
    -28,42 (-3,51%)
     
  • S&P500

    4.284,58
    -113,36 (-2,58%)
     
  • DOW JONES

    33.546,03
    -719,34 (-2,10%)
     
  • FTSE

    7.309,44
    -184,69 (-2,46%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.018,00
    -408,50 (-2,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2232
    +0,0332 (+0,54%)
     

Ômicron é menos grave mesmo para não vacinados, diz estudo

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A variante ômicron do coronavírus causa uma doença menos grave do que a cepa delta, mesmo em pessoas que não foram vacinadas ou que não foram infectadas pela Covid-19 anteriormente, mostra estudo da província do Cabo Ocidental, na África do Sul.

A pesquisa na região que tem a Cidade do Cabo como capital comparou 11.609 pacientes das três primeiras ondas de infecção, sendo a mais recente causada pela variante delta, com 5.144 pacientes da última onda marcada pelo contágio pela ômicron.

Os resultados se somam a evidências crescentes de que, embora mais infecciosa, a ômicron pode ser menos virulenta do que outras cepas. Dados da África do Sul, o primeiro país a ter um grande surto causado pela variante, até agora mostram taxas menores de hospitalização e mortalidade.

Ainda assim, com mais de um quarto da população vacinada e uma taxa de infecção anterior de 70% a 80%, existe a preocupação de que isso possa estar mascarando o perigo apresentado pela variante.

Menos mortal

O estudo, que foi divulgado esta semana e ainda não foi revisado por pares, focou nos hospitais públicos da província. Foi liderado por Mary Ann-Davies, professora associada da Universidade da Cidade do Cabo.

Durante a onda impulsionada pela ômicron, 8% das pessoas foram hospitalizadas ou morreram dentro de 14 dias, em comparação com 16,5% nas três ondas anteriores, segundo a pesquisa.

“Após o ajuste para idade, gênero, comorbidades e subdistrito, houve um risco substancialmente reduzido de morte na quarta onda em comparação com a terceira onda”, disseram os pesquisadores. “A proporção da redução foi atenuada ao considerar a imunização e infecções previamente diagnosticadas”.

Ainda assim, mesmo quando infecções anteriores foram consideradas, houve um risco 25% menor de óbito na quarta onda do que na terceira onda, segundo eles. No entanto, após ajustes considerando imunizações ou infecções anteriores, a ômicron apresentou um risco semelhante à versão do vírus identificada pela primeira vez em Wuhan, na China.

Em dados separados, divulgados pelo Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul nesta sexta-feira, a pesquisadora Waasila Jassat disse que as mortes por Covid-19 na África do Sul atingiram um pico de 14% a 15% da taxa observada na onda da delta. As internações hospitalares atingiram cerca de 60% da onda delta, disse ela em evento online.

Os pesquisadores alertaram que, dada a natureza infecciosa da ômicron, os sistemas públicos de saúde ainda precisam se planejar cuidadosamente para surtos devido ao potencial aumento de pacientes.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos