Mercado abrirá em 8 h 55 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,00
    -0,28 (-0,43%)
     
  • OURO

    1.827,60
    -8,50 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    57.847,10
    +2.521,01 (+4,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.562,35
    +1.319,67 (+543,79%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.971,06
    -42,75 (-0,15%)
     
  • NIKKEI

    28.130,42
    -478,17 (-1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.228,25
    -117,75 (-0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3360
    -0,0094 (-0,15%)
     

Índice STOXX 600 emenda 3º mês de ganhos com balanços e esperanças de recuperação

Sruthi Shankar e Ambar Warrick
·2 minuto de leitura
Mulher caminha em frente à Bolsa de Valores de Milão

Por Sruthi Shankar e Ambar Warrick

(Reuters) - As ações europeias terminaram em queda nesta sexta-feira após dados desanimadores da economia da zona do euro, mas o mercado acionário ainda engatou o terceiro mês de ganhos, com fortes balanços corporativos e otimismo sobre a recuperação econômica.

O índice pan-regional STOXX 600 caiu 0,3%, ficando abaixo de sua máxima histórica, mas em alta de 1,8% no acumulado de abril.

A economia da zona do euro encolheu no primeiro trimestre num ritmo até mais moderado do que o esperado, mas foi o suficiente para o bloco monetário mergulhar em uma segunda recessão técnica.

Porém, a atividade deve se recuperar, já que as restrições à pandemia têm sido suspensas em meio a campanhas de vacinação cada vez mais aceleradas.

A economia alemã contraiu 1,7%, pior do que o esperado, atingida por novos lockdowns, enquanto a economia francesa cresceu mais do que o esperado.

Mas os fortes balanços corporativos mostraram que as empresas da zona do euro estão bem encaminhadas para uma recuperação da pandemia.

As ações da AstraZeneca saltaram 4,3%. A farmacêutica britânica divulgou resultados melhores do que o esperado e previu um crescimento no segundo semestre.

No geral, os resultados corporativos na Europa têm vindo muito mais fortes do que o esperado, com 71% das empresas relatando números acima do projetado --porcentagem acima da usual--, conforme dados do IBES/Refinitiv. Um terço das empresas componentes do STOXX 600 publicou resultados até agora.

"As expectativas são altas, as empresas estão superando até essas expectativas elevadas, mas o mercado está respondendo com cautela", escreveu em nota Lewis Grant, gestor de portfólio da Federated Hermes.

"Nos valores atuais e com muitas incertezas remanescentes relacionadas à pandemia, muitos investidores estão mais preocupados com riscos de baixa do que de alta."

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,12%, a 6.969,81 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,12%, a 15.135,91 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,53%, a 6.269,48 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,56%, a 24.141,16 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,09%, a 8.815,00 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,64%, a 5.050,69 pontos.