Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,18
    -0,37 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.816,60
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    18.833,53
    +89,50 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    369,64
    -10,22 (-2,69%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.802,03
    +14,49 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.442,00
    -10,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3066
    -0,0004 (-0,01%)
     

Índice que mede custo nacional da construção sobe 1,69% em outubro, diz FGV

·1 minuto de leitura

O INCC-M acumula acumula alta de 6,34% no ano e de 6,64% em 12 meses Josue Isai Ramos Figueroa/Unsplash O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M), da Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 1,69% em outubro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 1,15%. Com esse resultado, o índice acumula alta de 6,34% no ano e de 6,64% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 2,40% em setembro para 3,37% em outubro. O índice referente à Mão de Obra variou de 0,06% em setembro para 0,19% em outubro. Materiais, Equipamentos e Serviços No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a taxa correspondente a Materiais e Equipamentos subiu 4,12%, contra 2,97% no mês anterior. Três dos quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura (2,96% para 4,45%) e materiais para instalação (5,59% para 7,55%). A variação relativa a Serviços passou de 0,13% em setembro para 0,33% em outubro. Neste grupo, vale destacar o avanço da taxa do item aluguel de máquinas e equipamentos, que passou de 0,17% para 0,87%. Capitais Cinco capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Em contrapartida Recife e Porto Alegre apresentaram decréscimos em suas taxas de variação.