Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.964,31
    +30,45 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Índice de preços ao produtor do Brasil tem queda de 0,54% em novembro

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços ao produtor no Brasil recuaram 0,54% em novembro, quarta taxa negativa seguida, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

A deflação de novembro, entretanto, foi mais fraca do que aquela vista em outubro, quando os preços na indústria tiveram queda de 0,86%. Com isso o índice passa a acumular em 12 meses alta de 4,39%.

As quatro maiores variações foram registradas em outros produtos químicos (-4,41%); fumo (2,38%); perfumaria, sabões e produtos de limpeza (2,04%); e impressão (1,95%).

“A maior influência na queda de preços na indústria química, em outubro e novembro, está relacionada com a redução dos preços dos adubos. O Brasil importa grande parte do que consome, logo os preços dos produtos produzidos aqui acompanham os preços internacionais, e esses, depois de terem sido elevados no começo do conflito europeu, começaram a cair, com certa normalização dos fluxos de comércio”, explicou o gerente de Análise e Metodologia do IBGE, Alexandre Brandão.

Também se destacou a queda de 0,70% em alimentos, segundo Brandão influenciada pela entrada da safra de alguns produtos e uma demanda menor em outros.

O IPP mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, isto é, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação.

(Por Camila Moreira)