Mercado fechará em 2 h 48 min
  • BOVESPA

    122.124,33
    +243,51 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.266,60
    +47,34 (+0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,34
    +0,97 (+1,48%)
     
  • OURO

    1.868,40
    +30,30 (+1,65%)
     
  • BTC-USD

    42.387,42
    -4.544,97 (-9,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.170,76
    -27,16 (-2,27%)
     
  • S&P500

    4.151,29
    -22,56 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.269,91
    -112,22 (-0,33%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.245,25
    -141,75 (-1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3798
    -0,0242 (-0,38%)
     

Índice fecha acima de 121 mil pontos com aval externo e disparada de Lojas Renner

Paula Arend Laier
·1 minuto de leitura
Sede B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira, marcando a quinta alta seguida e assegurando mais um desempenho semanal positivo, com o cenário externo favorável ajudando a sustentar o patamar de 121 mil pontos.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 0,33%, a 121.100,99 pontos, de acordo com dados preliminares. Na semana, acumulou alta de 2,9%.

O volume financeiro do pregão, também influenciado pelas operações visando o vencimento de opções sobre ações na segunda-feira, totalizava 26,87 bilhões de reais.

Lojas Renner ON capitaneou os ganhos, com elevação de 12,6%, após divulgar que avalia realizar uma oferta primária de ações com esforços restritos e que já engajou assessores financeiros.

Natura&Co ON, por sua vez, ficou entre os destaques negativos, com queda de 4,7%, tendo no radar evento com analistas e investidores fechado à imprensa, além de projeções para 2023 e revisão nas estimativas de sinergia com a Avon.

Em Nova York, o S&P 500 e o Dow Jones renovaram máximas históricas, na esteira de fortes dados econômicos, queda nos rendimentos dos Treasury e resultados positivos dos grandes bancos norte-americanos.