Mercado abrirá em 2 h 57 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,07
    -0,45 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.715,50
    -15,00 (-0,87%)
     
  • BTC-USD

    20.108,30
    +164,15 (+0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,51
    +10,08 (+2,26%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    6.990,57
    -95,89 (-1,35%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.523,75
    -117,00 (-1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1262
    -0,0417 (-0,81%)
     

Índice europeu fecha em queda com dados de inflação dos EUA no foco

Bolsa de Valores de Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal e Anisha Sircar

(Reuters) - As ações europeias caíram nesta terça-feira, com investidores cautelosos no aguardo de dados de inflação dos Estados Unidos na quarta-feira, em busca de pistas sobre o próximo movimento do Federal Reserve acerca de aumentos das taxas de juros.

O índice pan-europeu STOXX 600 caiu 0,6%, apagando quase todo o ganho da véspera, quando registrou sua melhor sessão em quase duas semanas.

As quedas nesta terça-feira foram lideradas por ações de tecnologia, sensíveis às oscilações das taxas de juros, em meio a um aumento nos rendimentos dos títulos.

Operadores elevaram apostas em alta de 0,50 ponto percentual dos juros pelo Banco Central Europeu (BCE) em setembro, também precificando chance maior de acréscimo de 0,75 ponto percentual nos juros norte-americanos no próximo mês.

As ações do setor bancário estiveram entre as únicas com desempenho melhor, em alta de 0,1%.

Empresas de setores economicamente sensíveis, como mineradoras e do segmento automobilístico, também caíram depois de figurarem entre os principais ganhadores na sessão anterior.

"A incerteza e a volatilidade permanecerão altas, pois o crescimento mais lento, os rebaixamentos dos lucros, a antecipação dos aumentos das taxas de juros pelos principais bancos centrais e um provável aperto maior no fornecimento de gás natural da Europa durante os meses de inverno pesam no sentimento dos investidores", disse Nick Brooks, chefe de pesquisa econômica e de investimento no ICG.

O foco se volta para uma importante leitura de inflação na maior economia do mundo, com divulgação prevista para quarta-feira. Os números virão na esteira de dados de emprego surpreendentemente fortes na semana passada, que reduziram esperanças de que o Federal Reserve (banco central dos EUA) possa ir com calma em sua série de aumentos de juros destinados a combater as pressões de preços.