Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.661,80
    +1.620,31 (+2,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Índice acionário europeu tem série mais longa de altas semanais desde novembro de 2019

Sruthi Shankar e Shreyashi Sanyal
·1 minuto de leitura
Bolsa de Londres

Por Sruthi Shankar e Shreyashi Sanyal

(Reuters) - Os índices acionários europeus mostraram fraqueza nesta sexta-feira, mas registraram a mais longa série de ganhos semanais desde novembro de 2019 diante de esperanças de recuperação no crescimento econômico, o que compensou as dúvidas sobre o programa de vacinação contra a Covid-19 na zona do euro.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,08%, a 1.683 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,08%, a 437 pontos, depois de atingir na abertura máxima recorde.

O sentimento global era sustentado pela promessa do Federal Reserve de manter a política monetária ultrafrouxa mesmo com dados mostrando que a atividade dos Estados Unidos está ganhando força.

As ações de Londres se destacaram esta semana, com o índice de mid-caps focado internamente chegando a máxima recorde conforme o Reino Unido passa a sair de um rigoroso lockdown de inverno.

Os investidores vão passar a focar na próxima semana a temporada de resultados dos Estados Unidos, com expectativa de que os lucros das empresas do S&P 500 saltem 25% no primeiro trimestre, de acordo com estimativa da Refinitiv IBES.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,38%, a 6.915 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,21%, a 15.234 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 0,06%, a 6.169 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,60%, a 24.429 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,83%, a 8.565 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,25%, a 5.017 pontos.