Mercado fechará em 6 h 15 min
  • BOVESPA

    107.282,38
    -1.168,82 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,93
    -0,22 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.664,90
    -5,10 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.199,18
    +94,75 (+0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,76
    -7,22 (-1,62%)
     
  • S&P500

    3.642,70
    -76,34 (-2,05%)
     
  • DOW JONES

    29.202,43
    -481,31 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.895,31
    -110,08 (-1,57%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.369,25
    -186,50 (-1,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2556
    +0,0230 (+0,44%)
     

Índice de ações europeu se recupera após queda na semana passada

Índice acionário alemão DAX exibido na bolsa de valores em Frankfurt

Por Shreyashi Sanyal e Anisha Sircar

(Reuters) - As ações europeias registraram seu melhor dia em quase duas semanas nesta segunda-feira, depois de queda na semana passada, quando um forte relatório de empregos nos EUA reacendeu apostas de outro aumento agressivo de juros pelo Federal Reserve.

O índice pan-europeu STOXX 600 subiu 0,8%.

Quase todos os setores tiveram alta nesta sessão, com os economicamente sensíveis serviços financeiros e automotivo liderando os ganhos.

O foco agora se volta para dados de inflação da maior economia do mundo, com divulgação na quarta-feira. Os mercados de ações globais ficaram assustados na sexta-feira depois de dados mostraram forte geração de empregos nos EUA em julho, o que reduziu esperanças de que o Fed possa arrefecer sua série de aumentos de juros com o objetivo de controlar a inflação.

Da agenda europeia, a confiança dos investidores na zona do euro permaneceu essencialmente inalterada em agosto em relação a julho, com um aumento muito pequeno para afastar temores de recessão, mostrou uma pesquisa.

"Vemos a recessão na Europa como provável, mesmo na ausência de grandes altas de juros, como um amplo estresse econômico de uma crise de energia... O Banco Central Europeu e os mercados subestimam o risco de a crise de energia causar uma recessão, e o BCE acabará aceitando isso e repensará sua trajetória de juros", escreveram estrategistas da BlackRock em nota.

A maior gestora de ativos do mundo está subalocada em ações europeias, já que o choque no preço da energia provocado pela guerra na Ucrânia coloca a região em risco de estagflação, acrescentaram os estrategistas.