Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,26
    -0,37 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.787,00
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    57.430,41
    +3.338,88 (+6,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.457,26
    +51,96 (+3,70%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.812,63
    -241,37 (-0,83%)
     
  • NASDAQ

    13.480,25
    -10,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4269
    -0,1124 (-1,72%)
     

Índia sofre com recorde de casos novos de Covid e escassez de oxigênio

Neha Arora e Sachin Ravikumar
·2 minuto de leitura
Funcionário carrega veículo com cilindros de oxigênio vazios em Ahmedabad, na Índia

Por Neha Arora e Sachin Ravikumar

NOVA DÉLHI (Reuters) - A Índia registrou nesta quinta-feira 314.835 infecções novas de Covid-19, a maior taxa do mundo, e uma segunda onda da pandemia criou novos temores sobre a capacidade de reação dos serviços de saúde em frangalhos.

Autoridades de saúde do norte e do oeste do país, incluindo a capital, Nova Délhi, disseram estar em crise, já que a maioria dos hospitais está lotada e ficando sem oxigênio.

Alguns médicos estão aconselhando os pacientes a ficarem em casa, e um crematório de Muzaffarpur, uma cidade do leste indiano, disse que está ficando sobrecarregado de corpos e que familiares enlutados têm que esperar a sua vez.

"Neste momento, não há leitos, não há oxigênio. Todo o resto é secundário", disse Shahid Jameel, virologista e diretor da Escola de Biociências Trivedi da Universidade Ashoka, à Reuters.

"A infraestrutura está desmoronando".

Alguns hospitais de Nova Délhi ficaram sem oxigênio, e autoridades de Estados vizinhos estão impedindo que suprimentos sejam levados à capital para preservá-los para suas próprias necessidades, disse o vice-ministro-chefe da cidade, Manish Sisodia.

O total de casos da Índia está agora em 15,93 milhões, e as mortes aumentaram em 2.104 e chegaram a 184.657, de acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde.

O recorde anterior de aumento diário de casos pertencia aos Estados Unidos, que tiveram 297.430 casos novos em um dia de janeiro, mas desde então esta cifra diminuiu consideravelmente.

A televisão mostrou imagens de pessoas com cilindros de oxigênio vazios lotando instalações na tentativa de salvar parentes hospitalizados.

Em Ahmedabad, cidade do oeste indiano, um homem atado a um cilindro de oxigênio se deitava na traseira de um carro diante de um hospital à espera de um leito, como mostrou uma foto da Reuters.

"Nunca pensamos que uma segunda onda nos atingiria tão duramente", escreveu Kiran Mazumdar Shaw, presidente-executivo da provedora de saúde Biocon & Biocon Biologics, no jornal Economic Times.

A Índia lançou um programa de vacinação, mas só uma fração minúscula da população já foi inoculada. As autoridades anunciaram que as vacinas estarão disponíveis para todos acima de 18 anos a partir de 1º de maio, mas o país não terá doses suficientes para os 600 milhões de habitantes habilitados, dizem especialistas.

(Reportagem adicional de Sanjeev Miglani, Krishna N. Das, Rupam Jain, Anuron Kumar Mitra e Sumit Khanna)