Mercado fechará em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    118.582,64
    +1.202,15 (+1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.014,44
    -112,07 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,97
    +0,20 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.851,20
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    31.254,57
    -1.113,72 (-3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    628,22
    -19,10 (-2,95%)
     
  • S&P500

    3.858,60
    +3,24 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    31.032,86
    +72,86 (+0,24%)
     
  • FTSE

    6.668,63
    +29,78 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.429,75
    -45,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5698
    -0,0664 (-1,00%)
     

Índia prevê contração do PIB de 7,7% e deve intervir para estimular crescimento

Manoj Kumar e Aftab Ahmed
·1 minuto de leitura
Trabalhador empurra carrinho de mão

Por Manoj Kumar e Aftab Ahmed

NOVA DÉLI (Reuters) - A economia da Índia deve recuar 7,7% no atual ano fiscal que se encerra em março, o pior desempenho em quatro décadas, o que provavelmente levará o ministro das Finanças a pressionar por recursos voltados a estimular crescimento no Orçamento a ser apresentado no próximo mês.

A estimativa divulgada nesta quinta-feira pelo Escritório Central de Estatísticas do país está em linha com as projeções de economistas do setor privado, que preveem contração de 7% a 9,5% para o ano fiscal de 2020/21, e do banco central indiano, que revisou a estimativa para retração de 7,5%.

O Orçamento anual do governo para o próximo ano financeiro, que deve ser apresentado em 1º de fevereiro, deve aumentar os gastos com novas estradas e portos e fornecer incentivos para as indústrias, de forma a impulsionar a economia diante da crise.

A economia sofreu queda recorde de 23,9% no trimestre de abril a junho, após um lockdown nacional para evitar a propagação do coronavírus. No trimestre encerrado em setembro o recuou desacelerou a 7,5%.

O governo agora espera um crescimento econômico positivo marginal no trimestre finalizado em dezembro, já que a maioria das restrições relacionadas ao coronavírus foram suspensas, ajudando na demanda do consumidor e nos investimentos. A economia cresceu 4,2% no ano fiscal de 2019/2020.