Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,96
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.877,30
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    38.876,33
    +3.045,53 (+8,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.013,25
    +19,00 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1930
    +0,0004 (+0,01%)
     

Índia pede que WhatsApp desista da nova política de privacidade

·2 minuto de leitura
Índia pede que WhatsApp desista da nova política de privacidade
Índia pede que WhatsApp desista da nova política de privacidade

A nova política de privacidade do WhatsApp anda gerando polêmicas em todo o mundo e, desta vez, o problema ocorreu na Ásia. O Ministério de Tecnologia da Índia enviou um pedido ao aplicativo de mensagens solicitando a desistência da nova política que prevê o compartilhamento de dados com o Facebook.

Segundo fontes ligadas ao governo indiano, a carta foi enviada no dia 18 de maio e afirma que poderá recorrer judicialmente contra a companhia, caso ela não cumpra a legislação do país. É esperado que a pressão da Índia dê resultados, afinal, o país é o maior mercado do WhatsApp em todo mundo. As fontes da Reuters informaram ainda que o ministério deu um prazo para resposta até o dia 25 de maio.

WhatsApp. Imagem: Shutterstock
Índia pede que WhatsApp desista da nova política de privacidade. Imagem: Shutterstock

“Continuamos a trabalhar com o governo e reafirmamos o que dissemos antes, que esta atualização (na política) não impacta a privacidade das mensagens de ninguém”, afirmou o WhatsApp em um comunicado oficial. O Ministério de Tecnologia da Índia preferiu não comentar o assunto.

Leia também!

No Brasil, a Justiça negou pedido para suspender nova política de privacidade do WhatsApp

A Justiça de São Paulo negou um pedido de liminar feito pelo Instituto Brasileiro de Defesa da Proteção de Dados Pessoais, Compliance e Segurança da Informação (Sigilo) para bloquear a nova política de privacidade do WhatsApp. A ação do instituto chegou a ter um parecer favorável do Ministério Público, mas o entendimento do tribunal foi diferente.

O pedido do Sigilo era para que a nova atualização fosse barrada até o julgamento do processo movido pelo órgão contra o Facebook, responsável pelo mensageiro. Na decisão, o juiz Saank Duk Kim afirma que não há evidências de que as informações coletadas pelo compartilhamento de dados vão ser usadas de forma ilícita.

De acordo com o Instituto Sigilo, a nova atualização do WhatsApp é ilegal pois infringe artigos da Lei Geral de Proteção de Dados, do Marco Civil da Internet e do Código de Defesa do Consumidor. “Na ação impetrada deixamos claro que o Facebook descumpre os artigos 18, 19, 46, 47, 48 e 49 da LGPD, bem como as leis do Marco Civil da Internet e do Código de Defesa do Consumidor. Por isso acreditamos que a empresa deva ser condenada com todas as sanções legalmente cabíveis”, diz o presidente do Sigilo, Victor Hugo Pereira Gonçalves

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!